Paraguai mudará relação com Taiwan se oposição chegar ao poder em 2023

Candidato de oposição à Presidência do Paraguai, Efraín Alegre, em Lambare, perto de Assunção

Por Daniela Desantis

ASSUNÇÃO (Reuters) - O Paraguai mudará sua relação de mais de seis décadas com Taiwan para se aproximar da China se a oposição vencer as eleições de abril de 2023, na tentativa de impulsionar as exportações agrícolas que são o motor de sua economia.

Efraín Alegre, candidato presidencial de uma coalizão de partidos e movimentos que buscará derrotar o governista Partido Colorado nas eleições gerais, garantiu em entrevista à Reuters que o país deve estabelecer relações com o gigante asiático para ter mais acesso aos mercados de soja e carne bovina.

"Temos uma posição crítica sobre a relação com Taiwan... O Paraguai deve se relacionar com a China", disse Alegre em entrevista recente, logo após ser eleito representante da coalizão "Concertación Nacional".

"Nossos interesses tanto no setor pecuário quanto no setor de grãos estão sofrendo atualmente uma perda muito importante", disse.

O Paraguai é um dos 14 países do mundo e o único da América do Sul que mantém relações diplomáticas com Taiwan. A China convenceu vários aliados da ilha a mudar sua relação nos últimos anos.

No entanto, o candidato do Partido Colorado, Santiago Peña, disse que os laços com Taiwan permanecerão intactos se ele vencer a eleição de 30 de abril. "Não vejo mudança nesse sentido... defendo claramente a relação histórica com Taiwan", disse Peña à Reuters.

Partidos e consultorias independentes não divulgaram pesquisas de opinião sobre as eleições em turno único, mas alguns analistas prevêem um resultado acirrado entre Peña e Alegre.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan disse à Reuters que está prestando muita atenção às próximas eleições no Paraguai e buscando laços mais estreitos com todos os candidatos.

(Reportagem adicional de Sarah Wu)