Paraná registra primeiro caso de preso com o novo coronavírus

KATNA BARAN

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Um homem de 33 anos, preso do regime semiaberto na penitenciária de Maringá, norte do Paraná, é o primeiro detento infectado pelo novo coronavírus no estado.

Ele apresentou febre leve dias depois de retornar de uma saída temporária, no dia 4 de maio. Encaminhado para a rede pública de saúde, foi avaliado por médicos e atualmente está em prisão domiciliar. O resultado positivo do teste saiu no último domingo (17).

De acordo com o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), o homem foi infectado em casa, já que outros familiares também foram diagnosticados com a Covid-19.

Outros 12 presos que tiveram contato com o homem também estão cumprindo um período de quarentena preventiva até o dia 29 de maio em alojamentos isolados e sem contato com os demais detentos da unidade.

Nenhum deles apresentou sintomas da doença e, de acordo com o Depen, até o momento, não há necessidade de realizar exames para detectar a Covid-19.

O sindicato dos policiais penais do estado reclama de problemas como a falta de triagem de presos do regime semiaberto do estado quando retornam ao sistema. Segundo a entidade, em ao menos uma das unidades, após as saídas de finais de semana, os detentos permanecem juntos em um alojamento por sete dias.

O Depen informou, no entanto, que novos presos e detentos que saem e retornam às penitenciárias são colocados em locais separados, onde permanecem em isolamento pelo período de 14 dias, como recomendado pelas autoridades sanitárias.

Não há registros oficiais do novo coronavírus em agentes penitenciários do estado.

Nesta quarta-feira (20), foi descartada a hipótese de morte por Covid-19 de outro detento que estava preso no Complexo Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

O hospital informou que o exame de Creomar Vieira Santana, de 20 anos, resultou negativo para o vírus. O jovem chegou no local já entubado no sábado (16), após dores abdominais e uma parada cardíaca. Ele faleceu nesta terça-feira (19) e a suspeita era de Covid-19.

Como medidas de segurança, o enterro foi realizado com o caixão lacrado e de forma rápida, com duração de apenas dez minutos.