'Parasita' leva prêmio máximo do Sindicato de Atores

Por Andrew MARSZAL
Elenco de Parasita

"Parasita" abalou, neste domingo (19), a festa de premiação do Sindicato de Atores 2020 (SAG), ao conquistar a estatueta na principal categoria da noite, uma vitória histórica que posiciona esta produção sul-coreana favoravelmente na corrida para o Oscar.

O filme superou a barreira do idioma e conquistou o reconhecimento pela atuação primorosa do elenco em um filme, o equivalente a um Oscar de melhor filme.

"Estou um pouco envergonhado de sentir que somos os parasitas de Hollywood agora", brincou o ator Lee Sun-Kyun.

O diretor Bong Joon-Ho admitiu que "é verdade que está se criando um impulso" para o Oscar.

Combinando os gêneros de comédia, drama e terror, a produção trata de uma família pobre que se infiltra em um lar rico e aborda o cada vez maior abismo de classes.

"Embora o título seja 'Parasita', acredito que o filme trate de convivência e de como podemos viver todos juntos", disse a estrela Song Kang-ho, ao receber o prêmio.

A vitória de ontem reforça a extraordinária popularidade do filme em Hollywood, ao derrotar "O escândalo", "O irlandês", "Jojo Rabbit" e "Era uma vez em... Hollywood".

Em uma cerimônia repleta de estrelas em Los Angeles, os quatro favoritos aos Oscars consolidaram seu status de favoritos.

Joaquin Phoenix foi escolhido melhor ator por "Coringa", categoria pela qual já havia sido reconhecido no Globo de Ouro.

Renée Zellweger ganhou mais um prêmio, por sua interpretação de Judy Garland em "Judy: muito além do arco-íris", que relata os difíceis dias finais dessa lenda do mundo do espetáculo.

Outro favorito para o Oscar, Brad Pitt acumulou mais uma estatueta de ator coadjuvante por "Era uma vez em... Hollywood", de Quentin Tarantino.

Na categoria de melhor atriz coadjuvante, Laura Dern conquistou mais um prêmio por seu papel de uma advogada de divórcios em "História de um casamento".

Entre outros premiados, está Robert De Niro, homenageado por seu conjunto da obra.