“Parece aqueles milicianos ameaçando as pessoas”, diz Omar Aziz sobre fala de Onyx Lorenzoni

·2 minuto de leitura
Brazilian Secretary-General of the Presidency, Onyx Lorenzoni, delivers a speech during the signing ceremony of the Provisional Measure to improve the business environment in Brazil, at Planalto Palace in Brasilia, on March 29, 2021. - Brazilian President Jair Bolsonaro faces a severe crisis between his foreign Minister Ernesto Araujo and the National Congress where he is the target of criticism for the way he has conducted the Brazilian foreign policy. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Onyx Lorenzoni afirmou que Luís Miranda e o irmão se entenderiam com Deus e também com o governo federal (Foto: Evaristo Sá/AFP via Getty Images)
  • Omar Aziz comparou fala de Onyx Lorenzoni com a de milicianos

  • Onyx deve ser chamado para depor à CPI da Covid no Senado

  • Segundo Aziz, houve uma tentativa de ameaçar uma testemunha do caso Covaxin

Para o presidente da CPI da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), as falas do ministro Onyx Lorenzoni na noite da última quarta-feira (23) tiveram um tom inadequado. Chefe da Secretaria Geral da Presidência, ele se pronunciou sobre as acusações de que o governo de Jair Bolsonaro teria comprado vacinas Covaxin por um valor superfaturado, além de ter feito pressões pela aprovação do uso do imunizante.

Ao falar publicamente sobre o caso, Onyx disse que o deputado federal Luís Miranda e o irmão dele, Luís Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde se entenderiam “não só com Deus, mas com a gente também”.

Leia também:

Para Omar Aziz, a fala foi inadequada e lembrou um miliciano. “Se ele diz ‘o governo vai ver quais são os meios legais que nós vamos tomar’, não... Ele, de uma forma bastante peculiar dele, ‘olha, Deus está vendo, antes da justiça divina, você vai se ver conosco’. Que isso? É uma coisa impressionante, parece aqueles milicianos ameaçando as pessoas. É impressionante”, declarou o presidente da CPI em entrevista à rádio CBN.

Omar Aziz ainda afirmou que Onyx Lorenzoni deve ser chamado para depor na comissão parlamentar de inquérito. “Até porque, ele é citado mais de uma vez. E ontem ele, no mínimo, de uma forma não muito política, ele ameaça uma testemunha”, disse.

Na quarta-feira, Lorenzoni declarou o governo tomará “medidas” contra as acusações e pediu a abertura de uma investigação pela Polícia Federal sobre as declarações do deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) e do irmão dele, Luís Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde. Ambos foram responsáveis pela denúncia do favorecimento da Covaxin.

Aziz ainda citou que houve uma mudança de postura do governo federal em relação às vacinas. “Há uma mudança de pensamento, uma mudança de discurso em relação à vacina. Em relação à Pfizer, ele disse, só vamos compra-la após a Anvisa autorizar a utilização dela. Em relação à Covaxin, só vamos distribuir após a Anvisa aprovar. Ou seja, já estava empenhada em pagar. As vacinas não chegaram, as datas que estavam previstas não foram cumpridas”, apontou.

Nesta quinta, a CPI da Covid ouve o epidemiologista e pesquisador da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Pedro Hallal e Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional Brasil e representante do Movimento Alerta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos