Parentes de fuzileiro que sumiu em São Gonçalo farão exame de DNA para identificar corpo

Pâmela Dias*
·2 minuto de leitura

A Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG) informou, nesta quarta-feira, que não foi possível comprovar por meio de exame odontológico se o corpo carbonizado encontrado em um veículo no bairro Monjolos, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, é do fuzileiro naval Matheus Filipe Coelho dos Santos, de 24 anos. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Mário Lamblet, ainda hoje a família da vítima deve ser contatada para realização do exame de DNA.

— Estamos pedindo agilidade no nosso laboratório para chamarmos a família para colher o material genético para fazer o confronto. É uma rotina que não é simples e estamos explicando todos procedimentos aos parentes — disse ele.

O primeiro prodedimento da polícia na investigação está sendo identificar o corpo, pois o carro carbonizado foi encontrado cerca de seis quilômetros à frente de onde o fuzileiro foi visto pela última vez por pessoas da região.

Segundo a DHNISG, pessoas próximas a Matheus Filipe seguem sendo interrogadas, a fim de encontrar pistas que levem ao paradeiro do militar. Abalada, a família não quis se pronunciar novamente sobre o caso.

Matheus Filipe Coelho dos Santos desapareceu na última quinta-feira, após retornar do trabalho. De acordo com a irmã do fuzileiro, Andressa Coelho, a última pessoa a falar com a vítima foi a mãe, na quinta-feira à noite. Desde então, ele não atende o celular e não manda notícias à família.

Em nota, a Marinha do Brasil, que auxilia a polícia nas investigações, também informou que no dia do desaparecimento, o fuzileiro se apresentou para servir no 1º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais e foi licenciado normalmente na ocasião, após a conclusão do Curso de Especialização.

Desde então, parentes e amigos têm se mobilizado nas redes sociais em busca de pistas que levem até Matheus Filipe. Qualquer informação pode ser repassada à polícia através do Disque-denúncia (2253-1177) ou através dos telefones dos familiares do jovem (21) 96933-4474 ou 97389-2955.

*Estagiária sob supervisão de Vera Araújo.