Polícia libera pai de homem abatido no aeroporto de Orly

Paris, 19 mar (EFE).- O pai do homem abatido ontem no aeroporto de Orly, em Paris, após ter atacado uma militar, foi libertado ontem à noite, enquanto seu irmão e seu primo seguem detidos para serem interrogados, informaram neste domingo à Agência Efe fontes judiciais.

O pai e o irmão foram detidos ao longo do dia enquanto o primo, que tinha passado a noite anterior com o agressor, se apresentou de forma voluntária na delegacia, segundo indicou o procurador de Paris, François Molins.

Os investigadores tentam determinar as motivações do agressor identificado como Ziyed Ben Belgacem - de nacionalidade francesa e nascido em Paris - que, após disparar contra uma agente em um posto de controle policial no norte de Paris, se transferiu ao sul da capital até o aeroporto de Orly onde agrediu e roubou a arma de uma soldado do dispositivo antiterrorista.

Após ter disparado contra a policial, segundo o procurador, Belgacem ligou para seu pai e para seu irmão e lhes disse: "Fiz uma bobagem, atirei em uma policial".

Na revista do domicílio do agressor, na cidade de Garge les Gonesse, a mesma na qual disparou contra a agente, foi encontrada uma pequena quantidade de cocaína, e agora os investigadores tentam determinar se tinha consumido drogas.

Belgacem, que tinha antecedentes por roubo à mão armada e por tráfico de entorpecentes, tinha sido vigiado pelos serviços de inteligência franceses por sua radicalização durante uma passagem pela prisão.

No entanto, uma operação de busca em seu domicílio em 2015 não deu como resultado nenhum sinal preocupante, razão pela qual não foi fichado pelos serviços de inteligência.

Durante o incidente no aeroporto de Orly, Belgacem afirmou que estava ali "para morrer por Alá" e posteriormente foi abatido pelos policiais. EFE