Paris torna margens do Sena e arredores da Torre Eiffel como 'áreas proibidas' para conter novo coronavírus

O Globo e agências internacionais

PARIS — A polícia da capital francesa vai aumentar ainda mais o reforço para garantir o isolamento obrigatório por causa do novo coronavírus. Os agentes de segurança vão intensificar a operação no metrô de Paris e, segundo informou a corporação nesta sexta-feira, os passageiros que não estiverem com os documentos necessários que justifiquem o porquê de estarem na rua deverão pagar uma multa de 135 euros (cerca de R$ 730).

Além disso, a partir desta sexta-feira, a polícia também vai atuar para evitar aglomerações em ambos as margens do Rio Sena, na esplanada dos Inválidos e no Campo de Marte, onde fica a Torre Eiffel. Com a medida, esses locais, onde as pessoas costumam ir para fazer exercício ou passar um tempo ao ar livre, passarão a ser "áreas proibidas", segundo informou a prefeitura de Paris. De acordo com as autoridades francesas, a determinação vai valer para o todo fim de semana; o motivo para que fosse decretada foi que ainda há muitas pessoas frequentando essas regiões, mesmo com a ordem de quarentena.

O governo francês pode estender as medidas de segurança, para além do confinamento, em outras regiões da França. Na manhã desta sexta-feira, o presidente Emmanuel Macron fez uma nova reunião junto com o comitê de crise, no Ministério do Interior do país. O governante declarou que a crise está apenas começando.

— Estamos no início desta crise. Tomamos medidas excepcionais para absorver essa primeira onda, mas ainda estamos no início da corrida contra o vírus — disse Macron, completando: — Precisamos reagir com força e nos reorganizar a cada momento. Precisamos nos antecipar.

O prefeito de Nice, Christian Estrosi, também anunciou nesta sexta-feira que vai fechar o Passeio dos Ingleses, uma das principais avenidas da cidade, para conter a propagação do novo coronavírus. Em entrevista ao canal francês LCI, Estrosi disse ainda que considera adotar o toque de recolher como medida para garantir o isolamento obrigatório.

— Estou considerando um toque de recolher já nesta noite, excluindo, é claro, a equipe cujo trabalho é essencial para conter a crise e da qual também temos que cuidar — declarou o prefeito, que também anunciou que foi testado positivo para a Covid-19.

Na última terça-feira, a França colocou 67 milhões de pessoas em quarentena no esforço para combater o novo coronavírus. Até o momento, o país registrou 372 mortes e 10.995 casos confirmados da doença.