Parisienses redescobrem cafés e croissants com reabertura do comércio

·1 minuto de leitura
Reabertura de cafés em Paris

Por Yiming Woo e Manuel Ausloos

PARIS (Reuters) - Para o parisiense Elie Ayache, o mundo ficou um pouco mais normal nesta quarta-feira após os transtornos da pandemia de Covid-19: ele voltou ao seu estabelecimento favorito para tomar um café matinal e comer um croissant.

Cafeterias e restaurantes da França voltaram a atender clientes após uma interdição de seis meses ordenada pelo governo para tentar conter a disseminação do vírus.

"Estava impaciente para voltar à minha vida e à pessoa que eu era antes", disse Ayache sentado no terraço do Les Deux Magots, outrora frequentado por Ernest Hemingway e outras celebridades literárias.

O presidente francês, Emmanuel Macron, também marcou a reabertura, juntando-se ao primeiro-ministro, Jean Castex, para um café perto do Palácio do Eliseu.

"Aqui vamos nós! Terraços, museus, cinemas, teatros... vamos redescobrir as coisas que compõem a arte de viver", escreveu Macron no Twitter.

A pandemia global força o fechamento de negócios de hospitalidade de todo o mundo, mas na França, a nação que inventou a alta cozinha, a interdição foi mais sentida.

Os franceses passam mais tempo comendo e bebendo do que os cidadãos de qualquer outra nação desenvolvida, de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), e comer fora é visto como parte do tecido social.

Ayache, que trabalha no mercado financeiro, disse que, antes do lockdown, ia ao Les Deux Magots todos os dias, incluindo os finais de semana.