Parlamentares criticam Bia Kicis por divulgar notícia falsa sobre policial baleado na Bahia; ela apaga post

Ana Paula Ramos
·4 minuto de leitura
PM segura fuzil em Salvador durante surto
PM "surta" em Salvador e acaba morto - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Homem foi baleado no início da noite do domingo (28) após horas de negociação

  • Deputada Bia Kicis alegou que PM foi baleado porque se recusou a prender trabalhadores

  • Governo baiano diz que homem passava por "surto psicológico"

A divulgação de uma notícia falsa pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, gerou revolta de parlamentares, que cogitam paralisar as atividades do órgão, que é responsável por analisar todos os projetos em andamento na Casa.

Um policial militar foi baleado no início da noite deste domingo (28) após ter passado cerca de quatro horas dando tiros para o alto e gritando palavras de ordem no Farol da Barra, um dos principais pontos turísticos de Salvador. Ele teria tido um surto psicológico.

Leia também:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

No entanto, a deputada Bia Kicis disse que o soldado da PM teria sido abatido por seus companheiros porque se recusou a prender trabalhadores que desrespeitavam as medidas de proibição de circulação de pessoas impostas pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT). 

Postagem Bia Kicis
Postagem Bia Kicis

A narrativa foi repetida pelos deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Carla Zambelli (PSL-SP), entre outros apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

Depois da repercussão negativa, a presidente da CCJ apagou a postagem e disse que vai "aguardar as investigações".

Segundo parlamentares, porém, vídeos mostram o policial militar destruindo materiais e bicicletas de ambulantes antes do ocorrido. 

A deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS) criticou a postagem de Kicis e adiantou que vai trabalhar para inviabilizar o funcionamento da CCJ enquanto for presidida por uma “fascista”.

Bia Kicis
Presidente da CCJ, Bia Kicis (Foto: Will Shutter/Câmara dos Deputados)

"É inacreditável que a presidente da CCJ, que deveria ser um exemplo de respeito à Constituição, se sinta à vontade para espalhar noticias falsas. Há tempos o PSOL alerta para os efeitos nefastos, para toda a população, do adoecimento mental dos policiais. Bia Kicis utilizou o fato de um PM em surto ser morto ao atacar colegas a tiros na Bahia para faturar politicamente com a tragédia. Anuncio que iremos trabalhar com todas as forças para inviabilizar o funcionamento da CCJ enquanto ela seguir presidida por esta fascista. O limite do bom senso já foi superado há muito tempo e qualquer condescendência com as atitudes de Bia Kicis é cumplicidade com crimes”, disse.

Os congressistas também acusam a parlamentar bolsonarista de incentivar um motim da Polícia Militar da Bahia contra o governador do estado.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Entenda o caso

O policial militar foi baleado no início da noite deste domingo (28) após ter passado cerca de quatro horas dando tiros para o alto e gritando palavras de ordem no Farol da Barra, um dos principais pontos turísticos de Salvador. Ele morreu no final da noite no Hospital Geral do Estado.

O policial chegou ao Farol da Barra por volta das 14h dirigindo um carro particular e rompeu as barreiras que isolavam a região. Em seguida, desceu do veículo e começou a disparar para o alto, provocando pânico entre moradores da região. O policial estava fardado, armado com um fuzil e uma pistola e estava com com o rosto pintado de verde e amarelo.

Governo diz que homem estava em "surto psicológico"

O governo baiano afirma que o soldado enfrenta um surto. Em vídeos publicados por testemunhas nas redes sociais, o policial gritou palavras de protesto, falando em desonra e violação da dignidade dos policiais.

"Comunidade, venham testemunhar a honra ou a desonra do policial militar do estado da Bahia", gritou o policial militar em um dos vídeos, logo após ter dado um tiro para o alto com uma pistola. Em outro momento, ele grita: "Não vou deixar, não vou permitir que violem a dignidade e honra do trabalhador".