Parlamentares dos EUA apresentam lei bipartidária sobre armas, e Senado caminha para votação

Líder da Maioria no Senado dos EUA, democrata Chuck Schumer

Por David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - Um grupo bipartidário de parlamentares apresentou nesta terça-feira uma nova legislação para lidar com massacres, preparando o terreno para o Senado dos Estados Unidos votar a lei ainda esta semana, com apoio do principal republicano da Casa.

Parlamentares disseram que devem realizar o primeiro voto processual sobre a lei na noite desta terça-feira, após superar divergências em questões como aborto e violência doméstica, entre outras.

“Eu acredito que esta semana aprovaremos uma legislação que se tornará a mais significativa contra a violência com armas que o Congresso aprovou em 30 anos. Isso é um avanço. E, mais importante, é um avanço bipartidário”, disse o senador Chris Murphy, líder democrata durante as negociações, no plenário do Senado.

O líder da Maioria no Senado, o democrata Chuck Schumer, prometeu avançar assim que possível. É esperada uma moção para progredir com a lei da Câmara dos Deputados que serviria como veículo legislativo do Senado.

“A lei bipartidária de segurança de armas é um progresso e salvará vidas. Embora não seja tudo que queremos, esta legislação é necessária com urgência”, afirmou Schumer.

O líder da Minoria, o republicano Mitch McConnell, descreveu a legislação como um “pacote de bom senso”, prometendo seu próprio apoio.

Com o senado de 100 assentos dividido igualmente, a lei precisará do apoio de pelo menos dez republicanos para ser aprovada.

(Reportagem de David Morgan; Reportagem adicional de Moira Warburton)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos