Parlamentares evangélicos pedem ao STF adiamento de julgamento sobre abertura de templos na pandemia

André de Souza
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — Um grupo de parlamentares evangélicos se reuniu com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, e pediu o adiamento do julgamento marcado para esta quarta-feira em que a Corte vai analisar a possibilidade de estados proibirem missas, cultos e outras atividades religiosas como forma de conter o avanço da pandemia de Covid-19. Fux os orientou a fazer um pedido formal ao relator da ação, o ministro Gilmar Mendes. Gilmar, porém, não pretender adiar o julgamento.

Há duas decisões divergentes no STF sobre o tema. Uma, de sábado, tomada pelo ministro Nunes Marques, libera as cerimônias religiosas. A outra, de segunda-feira, do ministro Gilmar Mendes, manteve a validade de um decreto do governo do estado de São Paulo que proibiu missas e cultos. A tendência é que prevaleça a posição de Gilmar.

Segundo a assessoria de imprensa do STF, Fux recebeu os deputados Marcos Pereira (Republicanos-SP), Cezinha de Madureira (PSD-SP), João Campos (Republicanos-GO), Soraya Manato (PSL-ES) e Marco Feliciano (Republicanos-SP), e os senadores Mecias de Jesus (Republicanos-RR) e Carlos Vianna (PSD-MG).