Parlamentares do PSOL pedem que PGR investigue Bolsonaro por homofobia em live semanal

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 03.12.2019 - A deputada estadual Erika Hilton, que compõe mandato coletivo da Bancada Ativista do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade). (Foto: Karime Xavier/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 03.12.2019 - A deputada estadual Erika Hilton, que compõe mandato coletivo da Bancada Ativista do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade). (Foto: Karime Xavier/Folhapress)

BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A vereadora Erika Hilton (PSOL), de São Paulo, e o deputado distrital Fábio Felix (PSOL), do Distrito Federal, enviaram à Procuradoria-Geral da República uma notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro por ter chamado o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) de "saltitante" na live da última quinta-feira (27).

Segundo os parlamentares do PSOL, Bolsonaro comete crime de discriminação e deve ser investigado sob suspeita de homofobia e transfobia.

Randolfe, que é vice-presidente da CPI da Covid, apresentou um requerimento para convocar Bolsonaro na comissão. "Agora, tem uma saltitante na comissão que queria me convocar. É brincadeira, né? Ô, saltitante, está de brincadeira. Não tem o que fazer não, saltitante?”, disse o presidente na live.

​"O uso de palavras no feminino e termos pejorativamente associados a pessoas homossexuais evidenciam a tentativa de menosprezo em relação ao responsável pela convocação, associando-o a condições que, no entendimento do presidente e parte de seu eleitorado, são dignas de demérito e zombaria", diz a peça enviada à PGR.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos