Parlamentares reclamam de falta de estratégia do PT para o Congresso

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 07.05.2022 - O ex-presidente Lula (PT) lança chapa de sua pré-candidatura à Presidência, com Geraldo Alckimin (PSB) como seu vice, no Expo Center Norte, em SP. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 07.05.2022 - O ex-presidente Lula (PT) lança chapa de sua pré-candidatura à Presidência, com Geraldo Alckimin (PSB) como seu vice, no Expo Center Norte, em SP. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A dificuldade de organização do PT atingiu também as candidaturas à Câmara e ao Senado. Parlamentares andam incomodados com a falta de estratégia e esperam que agora, lançada a chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o partido se volte a essa questão.

A situação do Senado é considerada a mais crítica. Estão postas hoje oito pré-candidaturas, mas, dessas, somente duas têm martelo batido: a de Wellington Dias no Piauí e de Camilo Santana no Ceará.

Na Paraíba, o pré-candidato é o ex-governador Ricardo Coutinho, mas sua condição ainda é incerta porque o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o tornou inelegível por abuso de poder econômico por oito anos, contados a partir de 2014. O partido entende que ele poderia disputar, mas o PC do B quer fazer a indicação.

No Rio de Janeiro, o pré-candidato é o presidente da Assembleia Legislativa (Alerj), André Ceciliano, mas há impasse com o PSB, que apresentou o nome do deputado federal Alessandro Molon. Beto Faro (PA), Reginaldo Lopes (MG), Zeca do PT (MS) e Teresa Leitão (PE) também dependem ainda de acertos estaduais.

"Em muitos estados não temos nome mesmo e não lançaremos candidato para marcar posição", rebate a presidente nacional da legenda, Gleisi Hoffmann.

Na Câmara, a reclamação é sobre a falta de coordenação nacional. Não há uma meta oficial de deputados a serem eleitos e não existe, segundo relatos, uma definição de puxadores de votos nos estados.

A presidente nacional da legenda, Gleisi Hoffmann, diz que as direções estaduais já têm orientações sobre esse assunto e rechaça a crítica. "Esses parlamentares deveriam procurar seus diretórios e ajudar a construir. Nosso GTE [Grupo de Trabalho Eleitoral] já fez inúmeras reuniões e nossa secretaria de Organização está acompanhando a formação das chapas", afirma.

O cenário se contrasta com declarações recentes de Lula sobre a necessidade de se pensar na governabilidade, caso eleito, para não ficar refém do centrão. A criação da federação com PC do B e PV, por exemplo, faz parte desses esforços para garantir uma base de apoio sólida no Congresso.

Outra área que a cúpula do partido pretende pacificar depois do evento do sábado (7) é a comunicação. Na véspera do lançamento formal da campanha, Lula deu fim a uma incerteza que, há duas semanas, consumia seus apoiadores ao definir os coordenadores de comunicação de sua campanha.

Disposto a apagar a ideia de desestruturação, Lula escolheu o deputado federal Rui Falcão (SP) e o prefeito de Araraquara, Edinho Silva, para a coordenação de comunicação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos