Líderes da Irlanda do Norte condenam violência "inaceitável" dos últimos dias

Joe STENSON
·3 minuto de leitura
Funcionários retiram ônibus incendiado após noite de protestos e violência em Shankill Road, Belfast

O governo autônomo regional da Irlanda do Norte, integrado por unionistas e republicanos, condenou nesta quinta-feira (8) a violência "completamente inaceitável e injustificável" registrada nos últimos dias nesta província britânica, onde crescem as tensões exacerbadas pelo Brexit.

"A destruição, a violência e as ameaças são completamente inaceitáveis e injustificáveis, independente das preocupações que existam nas comunidades", afirmaram os líderes em um comunicado conjunto, no qual afirmam estar "gravemente preocupados" com os distúrbios registrados principalmente em zonas unionistas e que deixaram mais de 50 policiais feridos.

O Executivo organizou uma reunião em caráter de urgência após uma nova noite de violência, que se soma aos distúrbios na região na última semana.

O Parlamento autônomo regional da Irlanda do Norte interrompeu o recesso da Semana Santa para convocar uma sessão especial.

"Conversei com o chefe de polícia, que está informando os partidos políticos", afirmou a primeira-ministra da Irlanda do Norte, a unionista Arlene Foster. "Meus pensamentos estão especialmente voltados para os agentes feridos pela violência injustificável dos últimos dias", completou.

"Os responsáveis devem ser submetidos a todo o rigor da lei, porque todos devem ser iguais perante a lei", escreveu no Twitter.

- "Não representam o unionismo" -

Foster já havia condenado os distúrbios. "Isto não é um protesto. Isto é vandalismo e tentativa de assassinato. Estas ações não representam o unionismo", afirmou.

Várias pessoas se reuniram na quarta-feira à noite em Lanark Way, uma área de Belfast onde foram instaladas grandes barreiras de metal para separar um bairro católico de outro protestante, e "um ônibus foi incendiado", informou a polícia da Irlanda do Norte.

"Centenas de pessoas dos dois lados usaram coquetéis molotov", tuitou um jornalista da BBC no local. Ele também informou que a chegada da polícia reduziu consideravelmente o nível da violência.

Sete agentes ficaram feridos durante a noite - 41 pessoas foram feridas nos últimos dias -, assim como um fotógrafo e um motorista de ônibus, informou a polícia.

A nova noite de violência se une a uma semana de distúrbios que evidenciaram o crescente conflito existente nesta província britânica, onde as consequências do Brexit revoltaram os unionistas partidários da coroa britânica.

- Reavivar o fantasma do conflito

Na semana passada, a violência explodiu primeiro na cidade de Londonderry, antes de se propagar para uma área unionista de Belfast e seus arredores durante o fim de semana da Páscoa.

Os incidentes reavivaram o fantasma das três décadas de conflito violento entre republicanos católicos e unionistas protestantes, que deixaram quase 3.500 mortos.

O acordo de paz assinado em 1998 acabou com a fronteira entre a província britânica e a vizinha República da Irlanda - país membro da UE -, mas o Brexit abalou o delicado equilíbrio, exigindo a adoção de controles alfandegários entre o Reino Unido e a União Europeia.

Após duras negociações, Londres e Bruxelas alcançaram uma solução, conhecida como "protocolo da Irlanda do Norte", que evita o retorno de uma fronteira física na ilha da Irlanda e transfere os controles aos portos norte-irlandeses.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou no Twitter que está "profundamente preocupado". "A forma de resolver as diferenças é o diálogo, não a violência ou a criminalidade", destacou.

O primeiro-ministro irlandês, Micheál Martin, considerou que "a única maneira de avançar é abordar as questões que preocupam através de meios pacíficos e democráticos".

"Agora é o momento de que os dois governos e os líderes de todas as partes trabalhem juntos para reduzir as tensões e restabelecer a calma", afirmou.

bur-acc/bl/fp