Sede do partido social-democrata da Eslováquia é alvo de atentado

Praga, 16 mar (EFE).- A sede do partido social-democrata da Eslováquia SMER (direção em eslovaco) na cidade de Zilina, no norte do país, foi incendiada por desconhecidos poucas horas depois que o líder da legenda, Robert Fico, apresentou sua renúncia como primeiro-ministro por causa do assassinato de um jornalista.

"Alguém lançou, segundo os primeiros indícios, um pneu em chamas sobre uma pequena marquise da entrada, e, em seguida, o fogo se espalhou por todo o telhado do edifício", informou nesta sexta-feira o SMER sobre o incidente ocorrido à meia-noite de ontem.

Segundo o jornal local "Pravda", foi encontrada uma pichação no edifício que dizia "Ladrões", assinado por "Vasky Jugend", um coletivo neofascista que apoia em seu perfil do Facebook o partido de extrema-direita e xenófobo A Nossa Eslováquia.

Outro partido integrante da coalizão governante, o Most-Hid, da minoria húngara, recebeu ameaças.

O líder dessa legenda, Belá Bugár, que ocupa a vice-presidência do parlamento, solicitou hoje medidas especiais de proteção.

"Hoje tive que pedir maior proteção policial. Recebi correspondências intimidatórias pedindo minha eliminação e a de pessoas do meu entorno. É demais. Essas ameaças e incendiar as sedes dos partidos não têm nada a ver com o espírito constitucional e a democracia", denunciou Bugár.

"As palavras raivosas da oposição levam a isso. Estou convencido de que ninguém quer que isso também aconteça nas praças", acrescentou o líder do Most-Hid em alusão aparente à convocação dos partidos opositores para que a população continue exigindo eleições antecipadas.

Fico deixou ontem o cargo de chefe de governo, no meio do escândalo desencadeado pelo assassinato do jornalista Jan Kuciak em 25 de fevereiro, que estava trabalhando numa investigação sobre supostos vínculos do crime organizado com círculos próximos do governo.

O político social-democrata terminou cedendo às pressões políticas e das ruas, mas, sob a condição de que continue no poder a atual coligação tripartite, que, além do SMER e do Most-Hid, também conta com os nacionalistas do SNS.

Esses três partidos conseguiram um acordo para apoiar uma reedição da aliança, liderada desta vez pelo social democrata Peter Pellegrini, considerado uma marionete de Fico pela oposição.

O SMER conseguiu assim evitar a dissolução do governo e a convocação de novas eleições, como tinham pedido os manifestantes, a oposição política e, inclusive, o Most-Hid.

Para a tarde de hoje está convocada em Bratislava uma nova manifestação para exigir eleições antecipadas e que se esclareçam todos os fatos do assassinato do jornalista Kuciak e de sua companheira. EFE