Parlamento francês aprova lei de passaporte vacinal de Macron

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Vista da Assembleia Nacional da França, em Paris
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Emmanuel Macron
    Emmanuel Macron
    Político, funcionário público e banqueiro francês, 25.º Presidente da França

Por Sudip Kar-Gupta e Jean Terzian

PARIS (Reuters) - O Parlamento da França aprovou nesta quinta-feira os planos do presidente Emmanuel Macron para um passaporte de vacinação para conter a propagação da variante Ômicron do coronavírus, após um tumultuado debate provocado pelos comentários do próprio Macron, que afirmou que queria "irritar" os não vacinados.

A linguagem de Macron a quase três meses das eleições presidenciais foi vista amplamente como politicamente calculada, apelando à frustração cada vez maior do público contra os que não quiseram se vacinar.

Mais de 90% da população com mais de 12 anos recebeu pelo menos duas doses de um imunizante contra a Covid-19, apontam dados do governo. O ministro da Saúde, Olivier Véran, disse que um número recorde de pessoas desde o dia 1º de outubro recebeu a primeira dose da vacina na quarta-feira após os comentários de Macron serem publicados.

Parlamentares na Câmara aprovaram o projeto de lei que inclui o passaporte vacinal pouco depois das 5h (horário local), após uma sessão que virou a noite, por 214 votos a 93. Muitos dos que votaram contra o projeto eram de grupos de extrema direita ou de esquerda.

O projeto irá para o Senado antes de uma última votação na Assembleia Nacional.

Os franceses precisam há meses mostrar que estão vacinados ou um teste negativo para Covid-19 para que possam entrar em locais como cinemas, cafés e trens. Mas com a disparada nas infecções com as variantes Delta e Ômicron, o governo decidiu invalidar a opção de apresentação de testes negativos no novo projeto.

As regras do passaporte de vacinas serão aplicadas aos maiores de 16 anos e não para os maiores de 12, como o governo queria inicialmente.

Países europeus têm hesitado sobre a coerção ou não de seus cidadãos para a vacinação. Na quarta-feira, a Itália tornou a vacinação contra a Covid-19 obrigatória para pessoas com mais de 50 anos, com professores e profissionais de saúde já obrigados a tomarem o imunizante.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, disse que os países que adotam a obrigatoriedade da vacinação, como a Itália e a Áustria, têm taxas mais baixas de vacinação do que a França.

Castex também afirmou que a França está pronta para seguir o programa em direção a uma quarta dose contra a Covid quando for o momento certo.

Na quarta-feira, a França registrou mais de 332 mil novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, e mais 246 mortos pela doença em hospitais.

(Reportagem de Jean Terzian, Sudip Kar-Gupta e Elizabeth Pineau)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos