Parte do PT está "se lixando" para Haddad, diz Cid Gomes

Ademar Filho/Futura Press

Irmão de Ciro Gomes, o senador eleito Cid Gomes (PDT-CE) afirmou que parte do PT já estaria resignada com a derrota para Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno das eleições para a Presidência da República e que o grupo estaria “se lixando” para o candidato Fernando Haddad. A declaração foi dada em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo nesta terça-feira (16), na qual Cid cobrou autocrítica da alta cúpula da sigla.

Leia mais:
Irmão de Ciro chama petistas de babacas e diz que partido merece perder

“Eles (petistas) querem ser hegemônicos inclusive na oposição. Boa parte da companheirada aí já deu por perdido (o segundo turno) e está pensando nisso, em ser hegemônico na oposição. Estão se lixando para o Haddad. São incapazes de um gesto de grandeza, mesmo que isso seja permitir uma oportunidade para o jovem, talentoso, inteligente, preparado que é o Fernando Haddad. Eu acho que isso (gesto de autocrítica) tem que partir de quem está no comando do PT”, declarou.

A entrevista ocorreu um dia após Cid dizer, em ato realizado em Fortaleza, que o PT precisava realizar uma revisão interna e pedir desculpas à população pelos casos de corrupção. Ele também rebateu um militante com o grito: “Lula tá preso, babaca”. A frase, que repercutiu amplamente, expôs ainda mais a racha entre partidos de esquerda, deixando o PT alarmado com a possibilidade de não erguer uma frente de oposição a Bolsonaro.

“Se tem uma possibilidade de reversão desse quadro, extremamente avesso ao Haddad, que eu considero o melhor candidato, é a gente ir no nó da questão, que é essa ânsia, essa raiva, essa vingança, que boa parte dos brasileiros tem em relação ao PT”, disse ao Estadão. “Penso que a única forma de se contrapor a esse sentimento é desvincular. É um pedido de desculpas, é o reconhecimento de erros. Ser humilde não faz mal a ninguém”, continuou.

Derrotado no primeiro turno, o irmão de Cid, Ciro Gomes, declarou “apoio crítico” ao PT na disputa contra Bolsonaro.