Participação de Lula e Bolsonaro em primeiro debate eleitoral ainda é incerta

Os dois principais candidatos à Presidência, Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mantinham em suspenso nesta sexta-feira (26) sua participação no primeiro debate televisivo, faltando 48 horas para este esperado evento da campanha.

O debate, organizado por vários meios de comunicação, entre eles, a Rede Bandeirantes e a Folha de S. Paulo, é o primeiro do calendário da campanha eleitoral.

Bolsonaro disse nesta sexta que "deve estar" no domingo, após ter avaliado não participar, mas deixou claro que a decisão não está tomada.

"Eu devo estar domingo, estou batendo martelo. Em um momento achei que não devia ir, agora acho que devo ir. Vou ser fuzilado, vão atirar em mim o tempo todo, porque eu sou um alvo compensador para eles. Mas acredito que a minha estratégia vai dar certo", disse Bolsonaro em entrevista à radio Jovem Pan.

Pouco antes, um assessor de Bolsonaro afirmou à AFP que o político havia decidido não participar.

Lula, seu principal adversário, também mantém em suspense sua participação. Uma fonte de sua campanha disse à AFP que o petista confirmará apenas se Bolsonaro for.

Lula lidera a corrida eleitoral de 2 de outubro com 47% das intenções de voto contra 32% de Bolsonaro, segundo uma pesquisa do Instituto Datafolha publicada em 18 de agosto. Outras sondagens indicam uma vantagem menor, com Lula também na frente.

Além de Lula e Bolsonaro, os organizadores convidaram outros quatro candidatos, entre eles o ex-ministro da Fazenda Ciro Gomes (PDT) e a senadora Simone Tebet (MDB), terceiro e quarta nas pesquisas.

Mesmo que os candidatos mais bem colocados não compareçam, o evento não será cancelado. Em caso de ausências, o espaço reservado para os candidatos ficará vazio, segundo os organizadores.

msi/mel/rsr/jc/ic