Partido Conservador afasta parlamentar antivacina no Reino Unido

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Partido Conservador do Reino Unido anunciou nesta quarta-feira (11) o afastamento do deputado Andrew Bridgen do Legislativo após o político compartilhar no Twitter uma série de desinformações sobre as vacinas contra a Covid-19.

"Andrew Bridgen cruzou a linha", disse seu correligionário Simon Hart, responsável pela disciplina parlamentar dos conservadores britânicos. "A desinformação sobre a vacina custa vidas. Assim, a remoção de Bridgen tem efeito imediato, e aguardamos uma investigação formal."

Em um de seus últimos tuítes, por exemplo, o parlamentar, ao comentar a crise no sistema de saúde público britânico, o NHS, disse que há um "elefante na sala" -"o atual excesso de mortes em todos os países que administram vacinas de mRNA de terapia genética".

A informação é falsa. Vacinas que utilizam a tecnologia de RNA mensageiro (mRNA) não são terapia genética, não causam doenças e não provocam a mesma enfermidade que deveriam combater.

O que elas fazem é "ensinar" as células do corpo humano a sintetizar a proteína spike, que é própria do coronavírus, para que o sistema imune esteja preparado para combatê-la.

Bridgen chegou a comparar o uso de vacinas ao Holocausto. Ao compartilhar conteúdo de um site de teoria da conspiração, ele escreveu: "Como um cardiologista me disse, este é o maior crime contra a humanidade desde o Holocausto".

Em outra publicação, ele diz que as vacinas estão "causando sérios danos" e que "está ficando cada vez mais evidente como elas fazem isso". "Não é de se admirar que tantas pessoas estejam doentes desde a vacinação", disse, em novas mensagens enganosas.

O conservador também saiu em defesa do uso da ivermectina para o tratamento da Covid no lugar de vacinas. Como mostraram diversos estudos científicos, porém, não há evidências científicas de que o remédio antiparasitário funcione contra a doença.

Antes mesmo do afastamento, Andrew Bridgen já era alvo de fritura no Parlamento britânico. Nesta terça-feira (10), relatou a rede BBC, ele foi suspenso da Câmara dos Comuns por cinco dias consecutivos após violar um código de conduta parlamentar.

Em novembro, a Casa descobriu que Bridgen, ao sair em defesa da empresa Mere Plantations no Parlamento, escondeu dos colegas que tinha interesses financeiros no assunto -a empresa doou dinheiro para sua campanha e financiou uma viagem sua a Gana, na África. Bridgen é parlamentar desde 2010 pelo distrito de North West Leicestershire.