Partido governista de Angola vence eleição; oposição contesta resultado

João Lourenço, presidente de Angola

Por Catarina Demony e Tim Cocks

LISBOA (Reuters) - A comissão eleitoral de Angola declarou nesta segunda-feira o MPLA, no poder por quase cinco décadas desde a independência, o vencedor das eleições nacionais da semana passada, entregando ao presidente João Lourenço um segundo mandato em meio a preocupações de fraude.

A comissão eleitoral deu ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) uma maioria de 51,17% depois de apurados todos os votos. O seu adversário de longa data, União Nacional para a Independência Total de Angola, ou Unita, obteve 43,95%, seu melhor resultado histórico.

Menos da metade dos eleitores angolanos registrados compareceu à eleição de quarta-feira, que apesar de ser a mais disputada até agora, prolonga o poder do MPLA que governa desde a independência de Portugal em 1975 e derrotou o Unita numa longa guerra civil.

O líder do Unita, Adalberto Costa Junior, rejeitou os resultados, alegando discrepâncias entre a contagem da comissão e a contagem da principal coligação da oposição.

Analistas temem que qualquer disputa possa desencadear protestos de rua em massa e possível violência.

"A comunidade internacional considera esta eleição livre, justa e transparente", disse Lourenço em entrevista coletiva após os resultados finais.

Ele prometeu mais empregos para os jovens, em um país onde metade dos menores de 25 anos estão desempregados e poucos se beneficiam de sua vasta riqueza petrolífera.

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS TR