Partido Novo suspende filiação de João Amoêdo: 'Risco de dano à reputação'

O Partido Novo determinou a suspensão imediata da filiação de João Amoêdo, que é fundador e ex-presidente do partido. O anúncio foi divulgado nesta quinta-feira e ocorre 12 dias após o político ter declarado apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno. A medida vale até o encerramento do processo disciplinar aberto contra ele por “possíveis violações estatuárias”.

Ironias, corrupção e 'Seu Lula': Bolsonaro traça estratégia para tentar desestabilizar petista em debate da Globo

Prejuízos: Lista de boicote a comerciantes e profissionais 'esquerdistas' gera medo em cidades de SC e PR

Nas redes sociais, o deputado federal Marcel van Hattem (Novo-RS) disse ter recebido o comunicado da Comissão de Ética do partido com o argumento de que Amoêdo representaria um “risco de dano grave e de difícil reparação à imagem e reputação do Novo”. Na publicação, o deputado salienta que a decisão é liminar e aguarda o julgamento do pedido de expulsão.

A comissão é um órgão nacional de apoio à gestão do partido e que tem como função, de acordo com a sigla, “zelar pela ética e decoro, bem como pela aplicação do Estatuto e normas internas do Novo”.