Partido opositor de Angola denuncia ataque a uma de suas sedes

O principal partido de oposição em Angola afirmou, nesta sexta-feira (2), que simpatizantes da formação governista Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) teriam atacado um de seus escritórios, deixando 10 pessoas feridas.

As eleições legislativas realizadas na semana passada deram uma vitória apertada ao MPLA, que dirige o país desde a independência de Portugal, em 1975. Os resultados oficiais indicam que o MPLA obteve 51,57% dos votos, contra 43,95% da União Nacional pela Independência Total de Angola (Unita).

Segundo a polícia, os "atos de intolerância política" entre apoiadores de ambos os partidos ocorreram na cidade de Bocoio, cerca de 100 quilômetros a leste da cidade litorânea de Benguela. As "forças policiais [...] restabeleceram a ordem", indicaram as autoridades em comunicado, depois que a sede local da Unita foi vandalizada.

A polícia detalhou que vários veículos foram incendiados e fez um apelo a todas as formações políticas para que preservem a "paz duramente conquistada pelo povo angolano".

A Unita apresentou ontem um recurso legal contra os resultados das eleições, alegando discrepâncias na apuração. O partido é um antigo grupo rebelde que combateu durante 27 anos o governo do MPLA em uma guerra civil que acabou em 2002.

str-ub/pvh/sag/yow/rpr/lb