Partidos fisiológicos comandam 49% dos municípios, diz Instituto Mercado Popular

Enquanto PMDB mantém alianças com blocos petista e tucano, partidos aliados ao Governo Federal aumentaram número de prefeitos nos últimos quatro ciclos eleitorais

O Instituto Mercado Popular (IMP) publicou ontem (27/9) a sua Nota de Política Pública nº 2/2016, “Para além das manchetes: fatos e dados sobre as eleições municipais brasileiras (1996-2016)”. O trabalho é resultado de estudo feito por Carlos Góes e Raduan Meira, Pesquisador-Chefe e Diretor de Modelagem Política do IMP, respectivamente. Dentre as conclusões da pesquisa, que analisou dados de todas as eleições municipais brasileiras desde 1996, está a constatação de que 49% das cidades brasileiras são chefiadas por partidos fisiológicos. Para chegar ao número, os pesquisadores identificaram empiricamente o comportamento fisiológico de diversos partidos: isto é, realizam alianças eleitorais tanto com o bloco liderado pelo PT quanto com grupo chefiado pelo PSDB.

O estudo também identificou que o PMDB de 2016, apesar do papel central no impeachment de Dilma Rousseff, continua se coligando com PT e PSDB de maneira parecida à que vinha fazendo nos pleitos anteriores. “O PMDB é o representante mais importante desse bloco ‘fisiológico’”, diz o estudo. “A ampla fragmentação partidária existente no Brasil leva à tendência de que todas as agremiações partidárias se aliem entre si”, conclui.

Para Góes e Meira, espera-se uma perda de poder do PT nas eleições municipais do próximo domingo, mas não é possível prever se o espaço será preenchido pelos partidos fisiológicos ou pelo bloco do PSDB. “A despeito dessa perenidade, o contexto de ascensão dos fisiológicos ao poder no contexto nacional torna mais complexo prever o resultado das eleições municipais”, explanam.

A segunda publicação da série de Notas de Políticas Públicas do Instituto evidencia que “as tendências de aliança e vitória presentes nas eleições federais também se refletem no âmbito municipal”. Isto quer dizer que os partidos que fizeram oposição ao PT no Governo Federal apresentam tendência a se coligarem entre si, enquanto que as agremiações do núcleo duro dos governos Dilma e Lula se coligam mais do que a média ao Partido dos Trabalhadores também no sufrágio municipal.

Como resultado, o estudo conclui que “nos últimos quatro ciclos eleitorais, os partidos aliados ao governo federal tenderam a aumentar seu número de prefeituras em relação ao ciclo anterior, enquanto os partidos de oposição reduziram sua presença nelas”. Para os pesquisadores, trata-se de uma evidência de que os rumos das eleições federais e municipais se movimentam de maneira coordenada.

“Durante os últimos 20 anos, as prefeituras migraram de “tucanos” para “petistas”, mas o percentual dos partidos fisiológicos manteve-se relativamente estável”, dizem os pesquisadores, que também identificaram uma perda do poder direto do PMDB. Em 2000, o partido de Michel Temer detinha cerca de metade das prefeituras do bloco fisiológico; em 2012, o número era de apenas um terço.Esse processo está relacionado ao surgimento de novos partidos fisiológicos, como o PSD, que abrigaram os desertores do grupo “tucano” sem que esses migrassem diretamente para o grupo ‘petista’”, explanam.

Confira:

http://mercadopopular.org/