Partidos de oposição acionam STF e pedem suspensão do decreto da Rouanet de Bolsonaro

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  30-07-2021 - O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado dos ministros Ciro Nogueira. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 30-07-2021 - O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado dos ministros Ciro Nogueira. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Seis partidos de oposição ingressaram no STF (Supremo Tribunal Federal), nesta quinta-feira (26), com uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) pedindo a suspensão do decreto do governo Jair Bolsonaro sobre a Lei Rouanet, assinado no final de julho.

A peça é assinada por PSB, PT, PSOL, Rede, PCdoB e PDT. Eles pedem a interrupção da vigência do decreto em caráter liminar e, em um segundo momento, a declaração da inconstitucionalidade do decreto.

O documento afirma que o decreto do governo federal altera de forma autoritária e inconstitucional a sistemática de análise dos projetos apresentados com a intenção de utilizar recursos da Rouanet.

A ADPF lista diversos possíveis pontos de inconstitucionalidade nas mudanças promovidas na Rouanet pelo decreto.

Um deles, por exemplo, seria a exclusão do combate a "todas as formas de discriminação e preconceito" como uma das finalidades da lei. O trecho que tratava do tema foi substituído por “promoção da cidadania cultural, da acessibilidade artística e da diversidade."

Outro trecho trata de mudanças a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, a Cnic, colegiado com membros da sociedade civil que avalia e dá decisões finais sobre quais projetos culturais estão aptos ou não para captar verbas via renúncia fiscal.

Com o novo decreto, afirma a peça, a Cnic deixa de ser órgão deliberativo e passa a ser apenas instância recursal consultiva, enquanto as decisões quanto aos incentivos fiscais ficam agora sob a atribuição da Secretaria Especial de Cultura, comandada por Mário Frias.

A concentração de poder no secretário é um dos pontos atacados pela peça apresentada pela oposição.

A própria estrutura interna da Cnic foi afetada pelo decreto, e agora o seu presidente poderá vetar projetos unilateralmente, sem a necessidade de consultar os demais integrantes da comissão. O posto é ocupado atualmente por André Porciuncula, braço direito de Frias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos