A partir de segunda-feira, preço dos trens sobe para R$ 5,90

·2 minuto de leitura

RIO — A Supervia anunciou, nesta terça-feira, aumento na tarifa dos trens para R$ 5,90, a partir do dia 1 de junho. Com base no IGP-M, o reajuste será um acréscimo de 16% no preço atual de R$ 5. Segundo a concessionária, após cem dias de negociações com o Governo, as partes não chegaram a um acordo sobre o valor da passagem, o que permitiu a Supervia a subir o preço.

De acordo com a concessionária, por contrato de concessão, o reequilíbrio no preço havia sido homologado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes (Agetransp), em dezembro de 2020, e estava previsto para ser válido a partir do dia 2 de fevereiro. No entanto, após entendimento entre a Supervia e o Governo no início deste ano, foi aplicado um desconto temporário de noventa centavos na tarifa, até o último dia 31.

Os clientes estão sendo informados sobre a nova tarifa por meio dos canais de comunicação da concessionária. A companhia informa que o ajuste foi uma medida para conter a crise gerada pela pandemia de Covid-19, que impôs alto custo operacional e de manutenção do sistema ferroviário.

Desde o dia 14 de março do ano passado, quando começaram as medidas restritivas no Rio, a Supervia deixou de transportar 102.243.392 de passageiros. Diariamente, informa a concessionária, 600 mil pessoas utilizavam o coletivo em média antes da pandemia. Esse número caiu para metade e levou a uma perda financeira de R$ 472 milhões neste período.

Campanha contra aumento

Em janeiro deste ano, usuários dos trens já haviam se manifestado contra o reajuste. A ONG Meu Rio lançou a campanha "SuperVia, aumento não" pedindo a suspensão do reajuste da tarifa dos trens, em janeiro, quando ainda havia sido acordado entre Governo e Supervia pelo desconto temporário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos