Passageira com bebê diz ter sido retirada à força de carro de aplicativo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma empresária de 30 anos que estava com um bebê de 5 meses afirma ter sido retirada à força do banco de trás de um carro de aplicativo. Ela filmou com seu celular o momento em que o motorista da Uber exige que ela saia do veículo.

O caso ocorreu na manhã da última quinta-feira (1º), em Limeira (a 151 km de SP). A passageira deu queixa na polícia, e o vídeo viralizou na internet.

Dona de um restaurante, a mulher, que pediu para não ser identificada, diz que voltou a trabalhar há duas semanas, depois que o filho nasceu, e que vai com o bebê todos os dias em carro de aplicativo para seu restaurante.

A reportagem tentou contato com o motorista, por telefone e mensagem de WhatsApp, mas ninguém atendeu nem visualizou o texto.

A empresa Uber diz que o motorista teve sua conta temporariamente desativada, enquanto são feitas as investigações.

A viagem da última quinta-feira, segundo a mulher, começou às 9h37. Ela disse à Folha ter achado estranho quando falou bom dia ao motorista, mas ele não respondeu. Também relatou que ele seguia em alta velocidade desde a saída de sua casa.

O desentendimento começou, conta, quando ela reclamou que o carro estava próximo demais do veículo da frente, pedindo para o motorista ir mais devagar. Segundo ela, o condutor disse que estava a 50 km/h, na velocidade permitida.

Na sequência, afirma a empresária, o motorista teria dito que, se batesse o carro, ele iria pagar. A mulher conta que reclamou, porque estava com seu filho, e que neste momento, o condutor disse que iria cancelar a corrida, deu meia volta na rua e estacionou. A partir daí, ela ligou a câmera do celular para tentar intimar o homem.

O vídeo mostra o motorista exaltado, ainda com a mão no volante, pedindo para a mulher descer. "Desce dessa m... Vai descer, sim", afirma. Na sequência, ele estica o braço e parece abrir a porta traseira direita.

"Ele está querendo me deixar na rua com o meu filho, eu não vou descer", narra a mulher na gravação. Em seguida, o condutor sai do veículo e abre a porta traseira esquerda.

O motorista manda três vezes a mulher descer e diz "não interessa" quando ela afirma que está com o filho. "Eu vou tirar você na força, eu mando nessa p...", continua.

Nervosa, a mulher repete "olha a cara do meu filho, olha o que ele está fazendo". O motorista diz para a empresária não "bancar de vítima". Os dois continuam a discutir até que ele fecha a porta e a filmagem é interrompida.

Segundo a empresária, na sequência, o motorista foi para a outra porta traseira e a tirou do carro pelo braço, à força. O bebê, que ficou no veículo, foi retirado na sequência pela mãe.

Os dois, afirma, ainda continuaram a discutir. O motorista entrou no carro e saiu.

Ainda segundo ela, o homem afirmou que foi agredido no rosto pela passageira, o que ela nega.

A empresária conta que se sentou na calçada, começou a chorar e uma mulher desconhecida lhe ofereceu água. Depois, pegou outro Uber e foi para o trabalho.

A passageira afirma que, além de ter dado queixa na Delegacia da Mulher, fez exame de corpo de delito na Santa Casa de Limeira. Também já se aconselhou com um advogado para levar o caso à Justiça.

Com medo, a empresária diz que, ao ver o vídeo, se arrepende de não ter descido imediatamente do carro, pois acabou expondo ela e o bebê.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública afirma que o caso foi registrado como lesão corporal pela Delegacia de Defesa da Mulher de Limeira. "Por se tratar de crime de ação penal condicionada, a vítima foi orientada quanto ao prazo para oferecer representação criminal contra o suspeito", diz o texto.

Também em nota, a Uber afirma que considera inaceitável e repudia qualquer ato de violência contra mulheres. "Recentemente, a Uber lançou uma campanha educativa de combate ao assédio em parceria com o MeToo Brasil.