Vídeo: Passageiro agride homem asiático em metrô de Nova York; polícia investiga

Extra
·2 minuto de leitura

Repercutem nas redes sociais imagens de uma agressão a um homem asiático dentro de um vagão do metrô de Nova York que tinha Manhattan como destino. Uma publicação no Twitter já recebeu mais de 1 milhão de visualizações. A polícia informou, nesta segunda-feira, dia 29, que sua unidade de crimes de ódio investiga o caso. Episódios de racismo contra asiáticos e seus descendentes aumentaram nos EUA.

Além de diversos socos, o agressor, que é um homem negro, envolve seu braço no pescoço do asiático por quase 15 segundos. Em seguida, empurra a vítima, que aparenta ficar inconsciente após cair. Depois, o autor dos golpes sai do transporte. Ainda não está clara a motivação dele. Embora outras pessoas estivessem no mesmo vagão, não foi mostrada uma tentativa de separá-los. Alguns passageiros se levantam, assustados, e outros pedem que as agressões parem.

De acordo com o jornal "The Hill", a investigação ficará a cargo da força-tarefa voltada para o crescente número de crimes de ódio contra asiático-americanos, que foi montada em agosto de 2020 pelo departamento de polícia de Nova York (NYPD).

Um dos casos que chamaram atenção neste mês ocorreu na Califórnia, no dia 17. A chinesa Xiao Zhen Xie, de 76 anos, foi agredida enquanto esperava para atravessar a rua. O autor foi identificado como Stephen Jenkins, de 39 anos, que já havia agredido outro idoso asiático, de acordo com a polícia. E, um dia antes, seis mulheres de origem asiática foram mortas em centros de massagem na Geórgia.

Inspetora adjunta dessa unidade no NYPD, Jessica Corey disse à emissora "PIX 11" que foram registrados pelo menos 27 incidentes anti-asiáticos em 2021 até este domingo. No mesmo período em 2020, foram contabilizadas oito ocorrências deste tipo.

“Precisamos da ajuda do público”, pediu o departamento de polícia na postagem desta segunda-feira.

Nos EUA de modo geral, cresceram os crimes de ódio a asiáticos a partir do início da pandemia da Covid-19, que começou a se alastrar em Wuhan, na China.