Passageiro da United é retirado de avião à força após se recusar a ceder assento

Um passageiro da companhia aérea United foi retirado à força de um voo que iria de Chicago a Louisville, nos Estados Unidos, após ter se recusado a abrir mão de seu assento voluntariamente.

Outas pessoas presentes no avião publicaram vídeos chocantes na noite do último domingo, mostrando homens sem uniforme arrastando o passageiro para fora da aeronave após a United ter anunciado uma “situação de overbooking.”

“O voo 3411, de Chicago a Louisville, teve overbooking,” disse um porta-voz da United ao Yahoo News quando questionado a respeito do incidente. “Após nossa equipe ter procurando voluntários, um cliente se recusou a sair da aeronave voluntariamente, e os seguranças do aeroporto foram chamados até o portão”.

Audra D. Bridges e Tyler Bridges publicaram vídeos do incidente:


@united @FoxNews @CNN esta não é uma boa maneira de tratar um médico tentando chegar ao trabalho por causa de um overbooking

Jayse Anspach, que mora em Louisville, postou um ângulo alternativo da cena:


@United teve overbooking no #flight3411 e decidiu retirar passageiros aleatórios do avião à força. Foi assim que eles resolveram agir:

Bridges e Anspach deram versões semelhantes do incidente ao Louisville Courier-Journal e em publicações no Twitter: a United havia vendido passagens em excesso para o voo e estava em busca de quatro voluntários para ceder seus assentos, que seriam ocupados por quatro funcionários da companhia aérea que precisavam ir até Louisville. Todos os passageiros foram autorizados a embarcar, e a empresa ofereceu 800 dólares a qualquer um que cedesse seu assento. No entanto, quando ninguém se voluntariou, a United avisou que um computador iria selecionar quatro passageiros aleatoriamente. O homem no vídeo alegou que era médico e tinha pacientes que precisava atender pela manhã. Ele se recusou a sair, motivo pelo qual os seguranças do aeroporto o arrastaram para fora da aeronave.

O documento United Contract of Carriage lista políticas específicas para passageiros cujo embarque não é autorizado em voos que sofreram overbooking, mas não cita políticas específicas para remover passageiros que já estejam sentados nestes voos.

Os vídeos deram início a um furacão nas redes sociais, o segundo envolvendo a companhia aérea nos últimos meses. A United foi criticada em março após impedir o embarque de duas passageiras por estarem usando calças legging. Em uma declaração por e-mail, a United disse ao Yahoo Style que as passageiras não puderam embarcar porque suas calças “não estavam de acordo com o código de vestimenta que rege viagens relacionadas a programas de benefícios da empresa”. De acordo com o porta-voz, “há regras diferentes para estes privilégios porque as pessoas estão voando de graça”. Ele também ressaltou que clientes que compram passagens normais podem usar calças legging em seus voos sempre que quiserem.

Christopher Wilson

Editor
Yahoo News