Passageiros de cruzeiros com coronavírus viajam para casa e nova embarcação com doentes busca porto

1 / 2
Passageiros do cruzeiro Rotterdam comemoram enquanto se dirigem ao porto de Everglades, em Fort Lauderdale, Flórida

Os passageiros de dois transatlânticos com portadores do novo coronavírus a bordo começaram a voltar para casa nesta sexta-feira (3), depois de terem conseguido atracar, no dia anterior, em Fort Lauderdale, sul da Flórida, depois que vários portos lhes fecharam as portas durante uma travessia angustiante, de quase um mês.

O Zaandam, operado pela Holland America Line, iniciou seu percurso em 7 de março, na capital argentina, antes de a crise causada pelo novo coronavírus levar a restrições de viagens internacionais. Ele atracaria duas semanas depois, no Chile, mas quando alguns passageiros ficaram doentes, vários países lhe negaram acesso.

O navio Rotterdam veio, então, em sua ajuda. No meio do Pacífico, os passageiros foram divididos entre as duas embarcações, e ambas atracaram no porto de Fort Lauderdale na tarde de ontem, com dezenas de doentes a bordo e quatro mortos.

"Vocês fizeram história", disse o capitão do Rotterdam, Bas Van Dreumel, no alto-falante do navio, segundo uma gravação obtida pela AFP. "Alguns de vocês têm uma longa viagem pela frente, e outros chegaram em casa, aqui na Flórida. Vocês me fizeram um capitão melhor e um homem melhor."

Hoje, ônibus escoltados por policiais começaram a transportar os 1.200 passageiros saudáveis do Zaandam e do Rotterdam do porto para o aeroporto, onde eles embarcarão em voos fretados rumo a seus destinos ou conexões.

Inicialmente, o governador da Flórida, Ron DeSantis, e autoridades locais opuseram-se à chegada do primeiro navio. Cerca de 26 passageiros que apresentam sintomas permanecerão isolados em suas cabines até que se recuperem. Os 14 pacientes graves foram levados nesta quinta-feira para dois hospitais locais.

- Coral Princess em busca de porto -

Desde 22 de março, cerca de 250 pessoas no Zaandam e no Rotterdam apresentaram sintomas de gripe. Nove delas testaram positivo para o novo coronavírus. Os navios ficarão no Porto Everglades até sábado, depois permanecerão ancorados no litoral até que os pacientes com sintomas possam desembarcar.

Outro navio, o Coral Princess, com 12 casos confirmados do novo coronavírus, havia anunciado ontem que esperava atracar em Fort Lauderdale no fim de semana, mas, na tarde de hoje, foi divulgado que os planos estão em aberto.

O jornal local "Sun Sentinel" informou, citando uma porta-voz do porto, que o navio desistiu de atracar no condado de Broward, onde fica Fort Lauderdale.

Um porta-voz da linha Princess Cruises, que opera o cruzeiro, disse à AFP que "a chegada e os planos de desembarque estão sendo formalizados e revisados por oficiais locais", e ainda não foram aprovados.

O cruzeiro do Coral Princess, que transporta 1020 passageiros e 878 tripulantes, teve início em 5 de março, na capital chilena, e a viagem terminaria no dia 19, em Buenos Aires. Mas o porto argentino lhe negou a entrada, devido ao fechamento de fronteiras, bem como Uruguai e Brasil.

Após registrar "um número acima do normal de pessoas com sintomas de gripe", todos os passageiros foram confinados em suas cabines na última terça-feira.

A Princess Cruises, que opera o Coral Princess, bem como a Holland America, que opera o Zaandam e o Rotterdam, é subsidiária da corporação Carnival.

As linhas de cruzeiros Carnival, Norwegian e Royal Caribbean costumam ter navios com bandeiras de ilhas do Caribe, como Bahamas e Bermudas.