Passe sanitário de Macron impulsiona vacinação anticovid na França

·3 minuto de leitura
Mulher mostra passe sanitário para entrar em cafeteria em Bordeaux, na França, em 18 de agosto de 2021 (AFP/Mehdi Fedouach)

Apesar dos protestos semanais, o passe sanitário impulsionou a vacinação contra a covid-19 em uma França antes atrasada e conseguiu angariar o apoio da maioria da população, sete meses antes da eleição presidencial.

Sete semanas após o anúncio do presidente Emmanuel Macron, os franceses já estão acostumados a exibir seu certificado em restaurantes, bares, academias e museus.

Pessoas totalmente imunizadas têm acesso a essa chave para uma vida social e cultural mais ampla, bem como aqueles que tiveram um teste de diagnóstico negativo ou superaram a covid-19 nos últimos seis meses.

"No início, não achei que funcionaria", mas "as pessoas entenderam e é relativamente respeitado", diz Djillali Annane, chefe do serviço de reanimação do hospital Raymond-Poincare em Garches, na região de Paris.

Apesar das críticas a uma medida considerada discriminatória para os não vacinados, milhões de pessoas deram um passo em direção à imunização para evitar fazer exames diagnósticos a cada três dias.

Em relação aos vacinados com pelo menos uma dose, a França ultrapassou nas últimas semanas os Estados Unidos e a Alemanha, assim como o Reino Unido e a Itália, segundo dados oficiais analisados pela AFP.

A segunda economia da União Europeia (UE) administrou ao menos uma dose a 72,3% de sua população e, junto com Suécia e Finlândia, vacina em um ritmo acelerado: 0,6% da população por dia.

Mas ainda está longe de alcançar os países europeus mais avançados, como Espanha, Malta e Portugal, onde mais de 80% das pessoas receberam a primeira dose.

- Injeção de moral -

Para Macron, que deve disputar um segundo mandato nas eleições presidenciais marcadas para abril, a resposta favorável ao sistema de passe sanitário fortaleceu seu governo, segundo pesquisas.

De acordo com pesquisas recentes do Elabe, entre 64% e 77% dos franceses apoiam essa medida, e a confiança na gestão governamental da crise está em seu nível mais alto desde o início da pandemia.

Para Bernard Sananes, diretor do Elabe, o presidente de 43 anos "dá a impressão de ter atravessado a crise com momentos difíceis, mas sem deixar espaço para uma alternativa, para que ninguém diga: 'Fulano teria feito melhor'".

A falta de máscaras no início da crise e a lentidão inicial da campanha de vacinação representaram, no entanto, munição para seus adversários, entre eles sua rival de extrema direita Marine Le Pen.

O passe sanitário também provocou a ira de alguns setores, que protestam todos os sábados para denunciar a "ditadura" imposta pelo presidente.

Alguns manifestantes não vacinados até exibiram uma estrela amarela para se comparar aos judeus perseguidos durante a Segunda Guerra Mundial, um paralelo criticado pelos sobreviventes do Holocausto.

Em parte por causa desses excessos, os protestos não angariaram amplo apoio, ao contrário de outros movimentos durante o mandato turbulento de Macron, como os "coletes amarelos" em 2018 e 2019.

"Para a maioria das pessoas, mostrar o celular na entrada de um restaurante se tornou um costume. Os manifestantes não tiveram sucesso no terreno ideológico", comentou Sananes à AFP.

A oposição, porém, é "uma minoria, mas não é marginal", com entre 20% e 25% de apoio, adverte.

Com o início do ano letivo e o retorno ao trabalho após as férias de verão, os médicos se preparam para um possível aumento das infecções, que atualmente chega a uma média de 17 mil por dia.

"O vetor da epidemia serão as pessoas não vacinadas", disse a epidemiologista Catherine Hill à AFP, para quem entre essas quase 20 milhões de pessoas "o vírus pode continuar a circular".

E independente dos sucessos de curto prazo, "estamos à mercê de uma nova variante", enfatiza.

adp/tjc/mar/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos