Passeata virtual contra violência sexual na infância sai nesta quinta (28)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A terceira passeata virtual do movimento #AgoraVcSabe sai nesta quinta-feira (28), a partir do meio-dia. O levante é proposto pelo Instituto Liberta, em uma iniciativa para que vítimas de violência sexual na infância e na adolescência rompam o silêncio.

Em mais uma edição transmitida pelo canal da organização no YouTube, a passeata reúne vozes e rostos que sobem simultaneamente na tela, como se estivessem caminhando em uma manifestação na rua.

Os participantes repetem a mesma frase: "A violência sexual contra a criança e o adolescente é uma realidade. Eu fui vítima e agora você sabe."

A presidente do Instituto Liberta, Luciana Temer, diz que a ideia do movimento é mostrar que todos conhecem alguém que foi vítima e que esse assunto não pode mais ser um tabu.

"Ao dar visibilidade ao problema, conseguimos pressionar por políticas públicas neste assunto", afirma a advogada, que em junho encontrou o papa Francisco, em Roma, e enfatizou a importância de denunciar os casos.

A campanha #AgoraVcSabe tem como embaixadores a apresentadora Angélica, a empresária Luiza Brunet e a ex-masterchef Valentina Schulz, entre outros. Todas elas gravaram vídeos para a TV Folha no qual falam sobre seu engajamento na causa e como se reconheceram publicamente como vítimas de abusos.

A primeira passeata virtual saiu em 18 de maio, Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, e reuniu rostos e vozes de 2.400 vítimas. A segunda edição aconteceu em 14 de junho.

Ainda é possível participar enviando seu vídeo, pois a última passeata acontecerá no final de agosto.

A causa de Combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes tem o apoio do Instituto Liberta, parceiro da plataforma Social+.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos