Pastor investigado por assediar fiéis é preso em Macapá

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Pastor Jeremias Barroso

A Polícia Civil prendeu na última sexta-feira (19), em Macapá, o pastor Jeremias Barroso, da igreja Getsêmani, investigado por assédio sexual contra fiéis. Ele nega os crimes.

Segundo a delegada Marina Guimarães, que atua no caso, o pastor de 50 anos responde pelo crime de violação sexual mediante fraude, quando a vítima é induzida ao erro, por acreditar que determinada conduta é necessária e que vai fazer bem à pessoa.

Leia também

“Ele se utilizava da condição de pastor, ele ludibriava as vítimas, se utilizava da confiança que elas depositavam nele, para abusar sexualmente delas. As vítimas, acreditando que o pastor estava fazendo aquilo para orar por elas, acabavam se deixando levar por aquele comportamento dele”, explicou.

Três mulheres denunciaram a conduta do pastor à DCCM (Delegacia de Crimes Contra a Mulher). Outras vítimas não registraram boletim de ocorrência por medo do suspeito: “No decorrer foram surgindo novas pessoas, várias delas com muito receio do pastor porque consideravam ele uma pessoa perigosa. Vamos instaurar quantos inquéritos forem necessários para apurar a conduta do pastor”.

A polícia apreendeu na casa do líder religioso celulares, HDs externos e pendrives. O advogado de Jeremias Barroso, Maurício Pereira, informou que foi surpreendida com o pedido de prisão e que o pastor nega as acusações: “Ele nega sim, não houve esses fatos relatados por essas vítimas, ele nega e no tempo oportuno trará as suas razões”.

Caso seja condenado, o pastor poderá cumprir até cinco anos de prisão por cada acusação confirmada. Com informações do portal G1.