Patagonia: quem é o bilionário que doou empresa de R$ 15 bilhões para combater mudanças climáticas

Yvon Chouinard fundou a Patagônia em 1973
Yvon Chouinard fundou a Patagônia em 1973

O bilionário fundador da varejista de moda Patagonia anunciou que doou sua empresa para um fundo de caridade.

Yvon Chouinard afirmou que, sob a nova estrutura patrimonial, qualquer lucro não reinvestido na administração do negócio seria destinado ao combate às mudanças climáticas.

Isso equivale a cerca de US$ 100 milhões (mais de R$ 500 milhões) por ano, segundo ele, dependendo da saúde financeira da empresa.

A Patagonia — avaliada em US$ 3 bilhões (cerca de R$ 15,5 bilhões), segundo o jornal americano New York Times — vende roupas para trilhas e outras atividades ao ar livre em mais de 10 países.

Fundada em 1973, sua receita estimada foi de US$ 1,5 bilhão neste ano, enquanto o patrimônio líquido de Chouinard é avaliado em US$ 1,2 bilhão.

"Apesar de sua imensidão, os recursos da Terra não são infinitos, e está claro que ultrapassamos seus limites", disse o empresário sobre sua decisão.

"Em vez de extrair valor da natureza e transformar isso em riqueza, estamos usando a riqueza que a Patagonia cria para proteger a fonte."

A empresa californiana já estava doando 1% de seus lucros anuais para ativistas de base comprometidos com práticas sustentáveis. Mas em uma carta aberta aos clientes, o empresário disse que queria fazer mais.

Ele contou que inicialmente considerou vender a Patagonia e doar o dinheiro para caridade, ou abrir o capital da empresa.

Mas explicou que ambas as opções significariam abrir mão do controle do negócio.

"Mesmo empresas públicas com boas intenções estão sob muita pressão para gerar ganhos de curto prazo em detrimento da vitalidade e responsabilidade de longo prazo", afirmou.

Pessoas que doaram suas fortunas

- O fundador da Microsoft, Bill Gates, prometeu neste ano "abandonar" a lista dos mais ricos do mundo ao fazer uma doação de US$ 20 bilhões para seu fundo filantrópico. Gates — que estima-se ter US$ 118 bilhões — prometeu doar sua fortuna para caridade em 2010, mas seu patrimônio líquido mais que dobrou desde então.

- No ano passado, o dono do Hut Group, que possui uma série de marcas online de beleza e nutrição, doou 100 milhões de libras para uma fundação de caridade depois de se tornar bilionário quando sua empresa foi listada na Bolsa. Ao comentar sobre a fortuna recém-conquistada, Matthew Molding disse que "não conseguia nem compreender os números" — e estava tentando ajudar o mundo.

- Em 2019, Julian Richer, que fundou a rede varejista de eletrônicos britânica Richer Sounds, entregou 60% dos negócios aos funcionários.

Em vez disso, a família Chouinard transferiu toda a propriedade para duas novas entidades. A Patagonia Purpose Trust, liderada pela família, continua sendo a acionista controladora da empresa, mas possuirá apenas 2% do seu total de ações, segundo Chouinard.

E vai nortear a filantropia da Holdfast Collective, uma instituição de caridade americana "dedicada a combater a crise ambiental", que agora possui todas as ações sem direito a voto — cerca de 98% da empresa.

"A cada ano, o dinheiro que ganhamos após o reinvestimento no negócio será distribuído como dividendo para ajudar a combater a crise", explicou Chouinard.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62912882

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!