Patricia Abravanel diz que sequestro que sofreu 21 anos atrás foi 'divisor de águas' e revela sonho premonitório

Patricia Abravanel relembrou o sequestro do qual ela foi vítima em São Paulo, 21 anos atrás. Na internet, a apresentadora relatou que, meses antes, tinha tido um sonho revelador e que se manteve calma durante a ação dos sequestradores devido a ele.

— Eu aprendi tanto naquele sequestro, sabia? Para mim, é assim: (existe) a Patricia antes e depois daquele sequestro. Eu tinha 20 e poucos anos. Tinha 21 ou 22. Na época, eu fazia faculdade aqui no Brasil. Tanto que foi depois disso que eu fui morar fora. Fui fazer faculdade fora. Aquele sequestro foi um marco, um divisor de águas (...) Foi um encontro que eu tive com Deus, com uma fé, com um relacionamento com Deus que eu não sabia que existia. Eu ouvia falar. Eu experimentei esse cuidado de Deus com a gente. Cuidado mesmo. Senti que Deus estava comigo durante todo o tempo, falando: "Calma. Vai dar tudo certo". E por que isso? Teve um dia, muitos meses atrás (meses antes do sequestro), que eu acordei e aí estava com uma funcionária em casa. E aí essa funcionária... Eu estava com ela ali (no sonho). E de repente tinha um mar. Sabe aquelas gaiolas que têm tubarão? E os tubarões ficam fora? No sonho, eu entrava na gaiola e os tubarões estavam dentro da gaiola. E aí a funcionária trabalhava na casa dos meus pais. Eu deixava ela sair, e eu mesma entrava, nadava com os tubarões. Eu não sou uma pessoa que fica contando sonho. Aí eu cruzei com ela (depois de acordar) e falei: "Nossa, eu sonhei com você hoje". E aí eu contei para ela, compartilhei o sonho. Muitos meses depois, o sequestrador entrou na minha casa, tinha a funcionária da casa, ele (o sequestrador) falou que estava com a arma. Quando eu cruzei com ele dentro de casa, ele estava com a funcionária. E ele falava assim: "Quem é você?". E eu falei: "Eu sou a Patricia". Aí a funcionária: "É. Ela é filha". E aí... Ele (disse): "Você vai comigo, vai comigo". Aí ele a deixou, a gente foi até a garagem, eu entrei no carro. E naquele momento ele colocou um capuz em mim e falou: "Olha, Patricia, isso aqui é um sequestro. Eu sou o Tubarão 1. Ele é o Tubarão 2". Nessa hora, eu lembrei do sonho. Eu só "vi" assim: Deus está comigo — contou ela, de 45 anos, no podcast "O pod é nosso", de Carlos Alberto de Nóbrega e da mulher dele, a médica Renata Domingues.

Durante evento: Patricia Abravanel diz que Fábio Faria 'não prestava para casar'

Crítica: série do Star+ sobre Silvio Santos tem altos e baixos

A filha de Silvio Santos continuou a narrar o sonho e o relacionou ao que passou ao ser sequestrada:

— Eu nadava no meio dos tubarões e nada tinha acontecido. Então, eu tinha certeza de que nada ia acontecer. E ali foi uma experiência em que eu falei: "Gente, Deus é presente, é comigo. Deus está aqui". Ele me deu um autocontrole, uma segurança... Eu fiquei todos os dias convicta de que nada ia acontecer. A história (contada pela imprensa e pela polícia) diz que eles iam pegar a Renata, que é a mais nova. Só que ela já tinha saído para a escola. Eu era aquela filha meio... Na escola, não estava muito boa, não. Eu estava na faculdade, na Faap, na época. Eu estava atrasada. A Renata tinha ido para a escola, a Rebeca eu não lembro nem a Daniela. Eu estava atrasada indo pegar roupa no quarto da minha irmã. Nessa, eu cruzei com ele. Quando eu voltei do sequestro, voltei certa de que Deus é Deus nas nossas vidas. Foi uma experiência minha com Deus. Antes disso, eu não tinha fé. Eu vivia sem esperança.

Em outro momento da entrevista, Patricia falou da relação com a família:

— Sou uma mega dona de casa, mãe realizada, esposa... Eu amo ser mãe. Tenho três filhos: o Pedro, que tem 7; a Jane, que tem 4, e o Senor, que tem 3. Ao Senor eu dei o nome do meu pai. De verdade. O nome do meu pai é Senor Abravanel. Aí o meu marido (o ministro das Comunicações Fábio Faria) quis dar e eu acabei aceitando. Nunca imaginei que ia ter um filho com esse nome. Mas hoje eu amo, tá? Quanto mais a gente fala, mais a gente acostuma. Eu amo ser mãe. Eu me encontrei tanto sendo mãe. Eu curto estar com eles, curto ensinar, curto brincar... Eu me encontrei muito no papel de mãe. Eu sou dona de casa, mãe e esposa. O resto é só atividade, segundo plano (risos).