Paul McCartney se inspirou em trama de Shakespeare para compor "Let It Be"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Paul McCartney em show no Rocket Mortgage Fieldhouse, em Ohio.
Paul McCartney em show no Rocket Mortgage Fieldhouse, em Ohio. Foto: Dimitrios Kambouris/Getty Images for The Rock and Roll Hall of Fame.

Resumo da notícia:

  • Paul McCartney se inspirou em trama de Shakespeare para compor "Let It Be"

  • Cantor confessou que foi influenciado pela história de "Hamlet" ao decorar falas do enredo

  • Sonho com a mãe do músico também impactou na composição da música dos Beatles

Paul McCartney confessou que foi influenciado pela literatura de William Shakespeare para compor o clássico "Let It Be", dos Beatles. De acordo com o livro "The Lyrics: 1956 to the Present", o cantor se viu inspirado na história de "Hamlet" para a música.

Isso porque o músico entrou em contato com a trama no ensino médio e percebeu que estava com versos do enredo muito presentes em sua mente. "Lembrei disso recentemente. Enquanto estudava literatura no ensino médio com meu professor preferido, Alan Durband, eu li 'Hamlet'. Naquela época, precisava decorar as falas para citar nas provas," relatou.

Ao mencionar o trecho "'O, I could tell you — But let it be. Horatio, I am dead", McCartney revelou que isso possa ter influenciado no próprio título da canção. "Suspeito que esses versos se implantaram na minha memória de forma inconsciente", afirmou.

Além da obra literária, um sonho com sua falecida mãe, Mary McCartney, também seria fundamental para a composição. "No sonho, vi minha linda mãe, com rosto gentil em um lugar de paz. Foi muito reconfortante. Ela percebeu como eu estava preocupado com o que acontecia na minha vida e com o futuro, e me disse: 'Tudo vai ficar bem. Deixe estar", contou.

Baixo de Paul McCartney é leiloado por quase R$ 3 milhões como mais caro da história

Paul McCartney foi dono do baixo mais caro a ser vendido em um leilão. Isso porque o evento produzido pelo compositor The Edge rendeu a venda do instrumento do eterno integrante dos Beatles por US$ 496.100, o que equivale a quase 3 milhões de reais na cotação de hoje.

De acordo com o Guitar World, o modelo Yamaha BB-1200 foi usado pelo cantor nas décadas de 1970 e 1980 e teve o lance inicial era de US$ 20 mil. No geral, o leilão arrecadou mais de US$ 2 milhões para a instituição Music Rising.

O baixo de cerca de 50 anos foi feito especificamente para canhoto, em madeiras maple, alder e mógno, pintura sunburst escala em ébano e marcações em madre pérola, inteiriço e com captadores do tipo precision.

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos