Paulo Guedes se irrita com ataque da Record e suspeita de dedo de Bolsonaro, diz revista

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Brazil's Economy Minister Paulo Guedes (L) applauds next to Brazilian President Jair Bolsonaro during the ceremony marking the assembly of the parts of Brazil's new Navy submarine Humaita (SBR-2), at the Itaguai Navy Complex in Rio de Janeiro, Brazil, on October 11, 2019. (Photo by MAURO PIMENTEL / AFP) (Photo by MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
Reportagem no jornal da Record criticou condução de Guedes na pasta da Economia. (Foto: Mauro Pimentel / AFP via Getty Images)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, se irritou com uma reportagem da Record com duras críticas ao trabalho dele no governo Bolsonaro, informou a revista "Época" neste domingo (26).

Além de apontar cinco erros da gestão econômica, a emissora chamou Guedes de "fraco" e "insensível com os pobres". A reportagem foi exibida na última quinta-feira (23), dentro do "Jornal da Record".

Leia também

De acordo com a revista, o ministro está convencido de que houve ingerência de Jair Bolsonaro (sem partido) para a produção da reportagem.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A Record é uma das emissoras alinhadas a Bolsonaro. Em 2019, recebeu a maior fatia da verba publicitária do governo federal (42,61%), mesmo registrando um terço da audiência da Globo.

A reportagem da Record ainda citou a ausência do ministro no lançamento do Pró-Brasil, programa de estímulo à economia após a pandemia de corinavírus, na última quarta. A não participação de Guedes gerou suspeitas de desgaste do chefe da Economia dentro do governo.

O ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, negou qualquer animosidade entre Guedes e Bolsonaro.

Outro sinal visível de desconforto ocorreu durante o pronunciamento do presidente na última sexta, horas após Moro anunciar sua demissão e acusá-lo de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal. Descalço e único a usar máscara como prevenção ao coronavírus, ele deu dois aplausos tímidos ao final do discurso, em contraste com os gritos de apoiadores.