Pazuello afirma que vacinação começa no próximo dia 20, dizem prefeitos

Maurício Ferro
·2 minuto de leitura
Foto: Fotoarena / Agência O Globo

BRASÍLIA - Após reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prefeitos afirmaram nesta quinta-feira que a vacinação no Brasil deve começar na próxima quarta-feira, no dia 20. A data exata foi dada pelo próprio Pazuello e participaram do encontro cerca de 140 lideranças municipais.

A informação foi confirmada ao GLOBO pelo presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Jonas Donizette (PSB), que é ex-prefeito de Campinas. O grupo reúne mais de 100 governantes locais.

O ministro afirmou aos prefeitos que o início da vacinação depende de dois fatores: a liberação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do uso emergencial das vacinas da AstraZeneca e da CoronaVac e a logística do voo que trará da Índia as 2 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca.

A Anvisa definirá a liberação em reunião marcada para o domingo (17). Já a “logística do voo” ainda é uma incógnita. Nesta quinta-feira, pouco depois da reunião do ministro com os prefeitos, a Azul informou que, justamente por"razões logísticas internacionais", o voo que sairia do Recife hoje de noite em direção à Índia foi adiado para sexta-feira, ainda sem horário definido.

Procurado, o Ministério da Saúde, em nota, informou que o voo agora deve sar às 23h desta sexta-feira.

– Então, se não for na quarta, dia 20, qualquer problema de logística, o começo da vacinação no Brasil ficará para quinta, que é dia 21 – falou Donizette.

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), escreveu em sua conta no Instagram que serão distribuídas 8 milhões de doses das vacinas aos estados, que redistribuirão aos municípios.

“(Estou) Em reunião com Ministério da Saúde. A partir de semana que vem serão distribuídas 8 milhões de doses no Brasil, 2 da Astrazeneca e 6 da Coronavac. Ideia, segundo Ministro, é iniciar dia 20, quarta. Estados recebem e distribuem para municípios”, informou.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda não concedeu autorização para o uso emergencial dos dois imunizantes. Os pedidos, submetidos na última sexta-feira pela Fiocruz e pelo Instituto Butantan, serão avaliados por diretores da agência no próximo domingo.