Pazuello despacha a um lance de escada do gabinete de Bolsonaro, mas Planalto tem dificuldade para explicar sua função

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - A resposta não vem fácil quando se pergunta no Palácio do Planalto sobre o que, de fato, faz o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello à frente da Secretaria de Estudos Estratégicos, cargo para o qual foi nomeado em 1º de junho pelo presidente Jair Bolsonaro. As explicações são difusas como “pensando o Brasil”, “elaborando um projeto sobre Amazônia”, “discutindo estratégias”, “não sei” e até mesmo “nada”.

O prestígio de Pazuello se reflete até mesmo no gabinete que ganhou no Planalto. O general ocupa um cargo de segundo escalão e está subordinado à Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos (SAE), comandada pelo almirante Flávio Rocha. A estrutura da SAE fica localizada no anexo ao prédio principal da sede do governo, mas Pazuello foi acomodado em sala no quarto andar, a um lance de escada do gabinete presidencial. A configuração no Planalto costuma ser entendida como uma percepção de influência no poder. Quanto mais perto do terceiro andar, de onde despacha Bolsonaro, maior o acesso e a importância.

Saiba o dizem nos bastidores sobre o novo cargo de Pazuello e o que o ex-ministro efetivamente faz, além do salário dele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos