Pazuello 'não pode se furtar a comparecer' a CPI da Covid, diz Mourão

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello "não pode se furtar a comparecer" na CPI da Covid. Mourão disse que é "óbvio" que Pazuello será pressionado, mas disse que ele terá que manter a calma.

Pazuello, que é general da ativa, havia sido convocado a prestar depoimento na última quarta-feira, mas na véspera comunicou ao Comando do Exército que teve contato com dois "servidores do Poder Executivo" que tiveram diagnóstico positivo para Covid-19. O depoimento foi remarcado para o dia 19 de maio.

Em entrevista à rádio O Povo CBN, Mourão disse que a escolha de colocar Pazuello como ministro foi uma "decisão de risco", sem entrar em detalhes.

— Independente de ser general da ativa ou da reserva, a colocação como ministro da Saúde foi uma decisão de risco. Independente disso aí. E óbvio que agora com essa questão da CPI o Pazuello não pode se furtar a comparecer e prestar lá seu depoimento.

De acordo com o vice-presidente, o ex-ministro precisa manter a "cabeça fria". Durante treinamentos ao depoimento feitos no Palácio do Planalto, Pazuello demonstrou nervosismo.

— É óbvio que ele vai ser pressionado. Ele tem que manter a calma. Existe um velho ditado militar que diz o seguinte: cabeça fria no corpo quente. É dessa forma que ele tem que se comportar — disse Mourão, acrescentando depois: — A guerra na selva tem meia dúzia de leis. Uma dela diz o seguinte: aprenda a suportar o desconforto e a fadiga sem queixar-se e seja moderado em suas necessidade. É isso que o Pazuello tem que fazer.