PDT e PSB não chegam a consenso e adiam decisão sobre apoio a Boulos

CAMILA MATTOSO
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O almoço entre representantes de PSB e PDT nesta terça-feira (17) não resultou em consenso sobre possível apoio à candidatura de Guilherme Boulos (PSOL) no segundo turno em São Paulo. A definição deve ficar para quinta-feira (19). Participaram do encontro o ex-governador Márcio França (PSB), o vice em sua campanha Antonio Neto (presidente municipal do PDT), o vice-presidente nacional do PSB Beto Alburquerque, Aldo Rebelo (Solidariedade), e outros representantes de partidos da coligação que terminou em terceiro lugar na disputa pela Prefeitura de São Paulo. Além de Neto, Ciro Gomes e Carlos Lupi, presidente do PDT, já sinalizaram que defendem o apoio a Boulos. No PSB, no entanto, não há total concordância sobre o tema. Ainda que França antagonize com João Doria (PSDB), padrinho político de Bruno Covas (PSDB), seus conselheiros apontam que há incerteza sobre como seria uma gestão de Boulos e que o ex-governador poderá ser cobrado por esse apoio no futuro. Eles defendem então que França se mantenha neutro no segundo turno. Os dirigentes da Executiva do PDT se reunirão na quinta-feira (19) e então anunciarão uma decisão. O PSB deve definir uma posição no mesmo dia ou na sexta-feira (20). "Em acordo das direções nacionais e regionais do PDT e do PSB, essa decisão [de seguir deliberando sobre o apoio a Boulos] foi tomada no sentido de fortalecer a aliança das legendas, que se mostraram as mais vitoriosas no campo progressista nestas eleições, com 562 prefeitos eleitos no primeiro turno (311 do PDT e 251 do PSB)", diz a assessoria de imprensa do PDT.