PDT teria indicado 'assediador compulsivo' para cargo na Previdência

Engenheiro condenado por assédio moral teria sido indicado por ministro Carlos Lupi para dirigir Previc, diz colunista

Ministro da Previdência, Carlos Lupi (PDT) teria indicado condenado
Ministro da Previdência, Carlos Lupi (PDT) teria indicado condenado "assediador compulsivo" para direção da Previc. Foto: Reprodução/GloboNews
  • Suposto indicado do PDT para dirigir Previc foi considerado "assediador compulsivo";

  • Segundo informações de colunista do Portal Metrópoles, ministro Carlos Lupi (Previdência) indicou Max Pantoja para dirigir Superintendência Nacional de Previdência;

  • Após divulgação, assessoria do ministro negou a informação;

O PDT, partido liderado nacionalmente pelo ministro da Previdência, Carlos Lupi, indicou para um condenado por assédio moral para dirigir a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc).

Segundo informações do colunista Guilherme Amado, do Portal Metrópoles, um ex-subordinado de Max Pantoja obteve R$ 150 mil em indenização após comprovar que era alvo de assédio moral do engenheiro enquanto este era diretor de Planejamento e Controladoria da Fundação dos Economiários Federais (Funcef).

A indenização foi aplicada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região. Em nota enviada ao portal Metrópoles, a Fundação apresentou recurso e aguarda uma possível reversão da decisão.

A condenação foi assinada pelo juiz Paulo Henrique Blair de Oliveira e data de maio de 2022.

Segundo o processo, Pantoja fazia “acusações infundadas, irresponsáveis e levianas” contra o funcionário, além de acusá-lo de crimes sem apresentar provas.

O magistrado considerou que o engenheiro se valia do “ingresso no cargo para impor uma posição de superioridade, inclusive entre os seus iguais”. Além disso, apontou que a Fundação, mesmo sabendo dos ocorridos, “apresentou atitude concreta para evitar os prejuízos morais causados”.

A vítima alegou que o comportamento lhe causou “desgastes e transtornos de toda ordem” além de abalo emocional. O assédio também teria afetado a credibilidade do profissional “dentro e foda da entidade.

Em resposta a matéria do Metrópoles, a assessoria do ministro Carlos Lupi negou que ele tenha indicado Pantoja para a direção da Previc. A atualização foi publicada no fim da tarde desta quarta-feira (18).