Peças de macramê levam beleza a diferentes ambientes

Regiane Jesus
·2 minuto de leitura

RIO — Belo e sustentável, o macramê virou presença quase obrigatória em residências, seja na forma de painel de parede, suporte de planta, capa de almofada ou caminho de mesa. O céu é o limite para quem cria peças de artesanato utilizando fibras naturais, como cordão de algodão, que viram itens decorativos. São os nós que dão forma a artigos que viraram tendência.

Moradora da Tijuca, Mariana Dantas transformou o hobby iniciado no ano passado em fonte de renda. A história da engenheira química com a técnica teve início quando ela decidiu fazer uma peça para combinar com uma outra que tinha comprado para enfeitar o seu lar. Foi paixão ao primeiro nó.

— Gostei tanto de um item de macramê que coloquei na parede da minha casa que comecei a pesquisar a técnica. Eu me encantei, me identifiquei com esta arte que dá inúmeras possibilidades de se criar peças únicas, completamente diferentes umas das outras. Então, fiz um painel para a minha sala; deu tão certo que não parei mais — conta.

O macramê foi o primeiro contato íntimo de Mariana com o artesanato.

— Eu sempre gostei de trabalhos manuais, mas não fazia nada neste sentido. Como fiquei com mais tempo livre durante a pandemia, ocupei este espaço vazio com o macramê. Costumo fazer as peças depois que encerro o expediente como engenheira e nos fins de semana — diz.

A habilidade natural fez com que Mariana aprendesse os segredos do macramê mais facilmente, mas se tornar especialista neste tipo de artesanato não foi tão simples assim.

— Apesar de ser uma técnica aparentemente simples, em que só se usa as mãos e o cordão de algodão, o trabalho de criar os nós, de formar os padrões, é bem desafiador. É preciso projetar, visualizar como vai ficar. No início, foi bem difícil. Mas com muito estudo e doses generosas de paciência fui me aprimorando. Tenho muito prazer em fazer este trabalho que ganha vida em outros lares — frisa.

As primeiras vendas foram feitas para os amigos. Depois, a divulgação das peças no perfil @atelie_vidacriativa, no Instagram, trouxe novos clientes.

— Eu criei uma lojinha virtual para que as pessoas pudessem ver o que já tinha produzido, mas trabalho muito sob encomenda. O cliente me dá a referência do que quer, e eu faço. No futuro, quero participar de feiras de artesanato, mas por ora estou exclusivamente no mundo virtual — observa a artesã, que tem peças com preços a partir de R$ 100.

Os pedidos não param de surgir, e, de acordo com Mariana, devem-se à beleza do trabalho e ao maior cuidado que as pessoas estão tendo com suas casas.

— O lar virou prioridade durante a pandemia. Todo mundo está buscando levar um aconchego para casa, e o artesanato cumpre bem essa função. Sem contar que é uma técnica que tem uma pegada sustentável, que não agride a natureza — afirma.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)