PEC dos precatórios deve passar por CCJ do Senado antes de seguir ao plenário

·2 min de leitura

BRASÍLIA - Após a aprovação da PEC dos precatórios na Câmara dos Deputados, senadores articulam para que o texto seja encaminhado à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado próximos dias. Inicialmente, o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), prometia que a matéria seguisse direto ao plenário para acelerar a tramitação, mas a resistência dos parlamentares o fez mudar de ideia. Dois nomes próximos ao Planalto são cotados para a relatoria da proposta, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), e o vice-líder do governo no Congresso, Marcos Rogério (DEM-RO).

As tratativas estão sendo capitaneadas pelo presidente da CCJ, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que tem mantido uma série de reuniões com parlamentares em caráter reservado sobre a tramitação da PEC ao longo da semana. Após a sessão da comissão, nesta quarta-feira, Alcolumbre disse que pretende colocar a matéria em votação na CCJ para daqui a cerca de duas semanas.

Rodrigo Pacheco está fora de Brasília até o próximo final de semana, mas se mantém informado à distância. O presidente do Senado viajou a Glasgow, na Escócia, para participar da COP26, e deve fazer uma parada em Portugal antes de retornar ao Brasil. Pessoas próximas a ele confirmam que há acordo para que a matéria siga para a CCJ.

Ainda de acordo com auxiliares ouvidos pelo GLOBO, o nome favorito de Alcolumbre é o de Fernando Bezerra. A equipe econômica também aposta em Marcos Rogério como possível relator, embora os dois agradem por serem fortes alinhados ao governo. A decisão deve ser tomada entre hoje e amanhã.O líder do PSD no Senado, Nelsinho Trad (MS), que comanda a segunda maior bancada da Casa, disse que habitualmente as PECs "precisam de um debate mais aprimorado e uma discussão mais intensa para poder devidamente formar um juízo".- Provavelmente essa matéria deverá passar por uma das comissões, ou a CCJ ou a CAE, e posteriormente deve ir à plenário. A sua votação carece de voto qualificado, ou seja, precisa ter uma votação com ampla maioria para poder se aprovada. Dessa forma, estamos aguardando para que seja distribuída essa matéria para poder exaurir as suas discussões - afirmou Nelsinho Trad.Ontem, o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), disse ao GLOBO que não descarta ceder em alguns pontos do texto por um acordo entre os parlamentares para garantir a aprovação da PEC. Nesse cenário, seriam feitas também tratativas com a Câmara para que a proposta seja aprovada com celeridade, caso volte para análise dos deputados.A PEC é fundamental para a gestão de Jair Bolsonaro, já que viabiliza o novo programa Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, no valor de R$ 400. O governo tem pressa porque avalia que será preciso aprovar a PEC até 20 de novembro para poder pagar o benefício a partir de dezembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos