Pedalando para o resgate: entregadores de comida em Nova York enfrentam o coronavírus

Por Laura BONILLA
1 / 3
Um entregador de comida cruza a Primeira Avenida de Manhattan, Nova York

Com os restaurantes e bares de Nova York fechados ao público devido ao contagioso coronavírus, sua população, que adora comer fora, depende agora de um exército de entregadores em bicicletas.

A grande maioria dos 40.000 entregadores de Nova York é formada por imigrantes, sem seguro de saúde ou documentos, que se tornaram essenciais para a vida da cidade.

Após o fechamento de restaurantes e bares, decretado de terça-feira a 1º de abril, os nova-iorquinos só podem pedir comida em casa ou ir buscá-la. Um consolo para as pessoas trancadas em casa, que viram suas vidas perturbadas pelo fechamento de escolas, trabalho home office e pela suspensão de todos os eventos culturais.

Nova York ainda permite que os bares entreguem coquetéis e suspendeu as multas para os entregadores que utilizam bicicletas elétricas.

“Enquanto outros estão em casa, nós enfrentamos o risco de contrair Covid-19. Isso realmente me preocupa. Tenho uma esposa e quatro filhos, todos estão tomando as medidas para ficar em casa, mas de que adianta se eu os coloco em perigo por estar nas ruas?”, questiona Alberto González, um hispânico do Brooklyn sem seguro saúde, que também trabalha na organização pró-imigrantes Make The Road New York.

“Precisamos de mais proteção (...) Não está claro quem tem prioridade para os testes e se nós, sem seguro ou status legal, teremos que pagar pelos testes e tratamento”, acrescentou.

Alguns vereadores pediram ao prefeito Bill de Blasio que considerasse os entregadores como “trabalhadores na linha frente” da luta contra o vírus, que arriscam suas vidas para levar comida à população.

Mas nesta cidade, onde já existem mais de 800 casos de coronavírus e sete mortes, os pedidos de comida entraram em colapso pelo medo do contágio, e alguns restaurantes já estão fechando porque não podem pagar o aluguel que é caro e os salários.

- Precauções extremas -

Os entregadores também têm medo do contágio, mas garantem que não têm escolha a não ser continuar trabalhando.

Tomaram precauções extremas contra esse vírus que já matou mais de 8.000 pessoas em todo o mundo: alguns usam luvas, gel desinfetante e máscaras, ou envolvem o guidão da bicicleta com sacos plásticos.

“Toda vez que entrego comida, coloco gel desinfetante nas mãos e troco as luvas”, afirma o mexicano Luis Ventura, 30, à AFP quando descia de sua bicicleta elétrica no coração de Manhanttan.

Ventura perdeu o emprego de cozinheiro em um restaurante grego há alguns dias devido ao colapso dos negócios pelo coronavírus. Mas continua trabalhando para Postmates, uma empresa de entrega de comida, onde ganha nove dólares por hora, sem contar as gorjetas, um valor bem abaixo do salário mínimo de 15 dólares.

“Honestamente, neste mês o dinheiro não vai dar”, lamentou.

Alejandro López, um médico venezuelano de 30 anos que trabalha como entregador no Brooklyn há um ano e meio, contou que alguns clientes lhe pedem que não suba ao apartamento pelo medo do contágio, e que os compreende.

“A gente tem muito medo. Eu ficaria em casa. Mas os imigrantes têm que seguir comendo, pagando contas, levando dinheiro para casa”, disse.

Muitos nova-iorquinos pedem nas redes sociais que aumentem as gorjetas para os entregadores como um sinal de solidariedade. Mas uma dúzia de entrevistados garante que os valores não mudaram.

- "Rezo a Deus" -

O mexicano Martín Balderas é entregador do restaurante Atomic Wings, que vende asas de frango frito em Manhattan.

“O emprego caiu muito, 70%”, afirmou este homem de 60 anos sem documento ou seguro médico, que ganha 8 dólares por hora mais as gorjetas. “Rezo a Deus que me livre de um contágio”, conta.

Balderas não pode se dar ao luxo de deixar de trabalhar: mantém com seu salário sua esposa e ajuda seus filhos e netos no México. “A família tem que comer e o aluguel aqui não perdoa”, afirmou ele.

De Blasio ofereceu empréstimos sem juros de até 75.000 dólares para empresas com menos de 100 funcionários que provarem que perderam 25% de sua renda. No entanto, essa medida não consegue salvar muitos restaurantes de Nova York, onde trabalham um total de 250.000 pessoas.

Para Ousmane Savadogo, um entregador de 33 anos da Costa do Marfim, tudo depende de quanto tempo vai durar a crise.

“Se durar duas semanas, tudo bem. Mas se durar mais, a coisa se complica!”.