Pedidos de seguro-desemprego chegam a 536 mil em março, diz governo

Manoel Ventura e Daniel Gullino
Projeto prevê aportes estatais de R$ 30 bilhões até 2022

BRASÍLIA — O Ministério da Economia informou nesta terça-feira que 536.845 brasileiros pediram o seguro-desemprego no mês de março. O número representa uma alta 11,1% na comparação com o mês de fevereiro. Quando comparado a março de 2019, esse dado representa uma queda de -3,5%.

O governo divulgou essa informação para alardear que as medidas tomadas contra o coronavírus salvaram empregos formais no Brasil.

Na primeira quinzena de abril, foram 267.693 pedidos, uma queda de -13,8% em relação ao ano anterior.

Esse é o primeiro dado oficial sobre os impactos da crise causada pelo novo coronavírus no mercado de trabalho formal. O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), com os dados sobre carteira assinada, por exemplo, não é divulgado desde dezembro.

O seguro-desemprego somente pode ser solicitado após sete dias da demissão, e o trabalhador que está pedindo o benefício pela primeira vez deve ter trabalhado por 12 meses durante os 18 meses que antecederam a demissão.