Pedro Cardoso critica 'fascismo brasileiro' e diz usar o Instagram por um chamado cívico

Fabiana Seragusa
Pedro Cardoso está de passagem pelo Brasil para encenar À Sombra dos Outros e Ignorantes, em São Paulo.

Pouco antes de dormir, um garoto da periferia faz as suas preces e é atingido por uma bala perdida dentro de seu próprio quarto. Ele fica entre a vida e a morte. Esse poderia ser o enredo de um daqueles dramas pesados do teatro, mas é a história que permeia a comédia (sim, comédia) Os Ignorantes, monólogo que Pedro Cardoso estreou em 1998, já foi visto por mais de 120 mil espectadores e está atualmente em cartaz no Teatro MorumbiShopping, em São Paulo.

Ao interpretar sete personagens que ajudam a explicar o que provocou esse terrível incidente, o ator faz brotar a comicidade resultante da ignorância humana. E esta é a principal característica dos espetáculos de Cardoso: usar o humor para abordar assuntos absolutamente sérios e complexos, como violência, escravidão, bullying e machismo, sempre citando dados históricos e fatos alarmantes. “Toda reflexão sobre o ser humano produz comédia”, diz o artista, em entrevista ao HuffPost Brasil. 

Seu caráter questionador também ganhou as telas de celular. É no Instagram que o ator — conhecido nacionalmente por seu papel como Agostinho, na icônica série A Grande Família (TV Globo) — conversa quase que diariamente com os mais de 320 mil seguidores angariados nos últimos três anos. Lá, ele costuma postar vídeos e textos sobre os principais assuntos políticos do momento, após ler uma série de jornais e revistas do Brasil e do mundo — ele aprendeu, sozinho, inglês, francês, espanhol e italiano para poder se informar de forma mais abrangente. 

Mas o ator deixa claro que não considera o Instagram, definido por ele como “rede antissocial”, um lugar propício para o debate de ideias. Continua atuante no aplicativo apenas por um chamado cívico. “Eu comecei a ficar uma pessoa muito ativa por lá a partir do momento que percebi uma grande imobilidade de pensamento nas pessoas”, explica o ator, que critica duramente o atual governo do presidente Jair Bolsonaro. “O fascismo em...

Continue a ler no HuffPost