Pedro Castillo é levado para base policial em Lima após tentativa de golpe

O ex-presidente do Peru Pedro Castillo é visto dentro de um carro da polícia (Foto: John Reyes/Anadolu Agency via Getty Images)
O ex-presidente do Peru Pedro Castillo é visto dentro de um carro da polícia (Foto: John Reyes/Anadolu Agency via Getty Images)

O ex-presidente do Peru Pedro Castillo foi encaminhado para uma base policial localizada no leste de Lima. Ele foi destituído por tentativa de dissolver o Congresso nesta quarta-feira (7).

Segundo informações do portal g1, o político foi transportado de helicóptero até a base da Diretoria de Operações Especiais da polícia, no distrito de Ate. Lá, ele deve permanecer por até duas semanas, sob investigação.

Ontem, Pedro Castillo comandou uma tentativa de golpe de Estado: horas antes da votação de um pedido de impeachment contra ele, o então presidente peruano fez um anúncio da dissolução do Congresso e declarou estado de emergência no país.

O Congresso ignorou a tentativa de golpe e votou pela destituição de Castillo do cargo. O plenário do Congresso do Peru aprovou por 101 votos a medida, além de seis votos contra e outras dez abstenções. Eram necessários 87 para derrubar o presidente.

Após o impeachment de Pedro Castillo, o Congresso acionou a vice, Dina Boluarte, para assumir o poder no país.

Como foi a tentativa de golpe de Pedro Castillo, ex-presidente do Peru?

Segundo Castillo, a decisão de tentar dissolver o Congresso foi tomada para “restabelecer o estado democrático de direito” e a "democracia no Peru".

Em pronunciamento na televisão, o político também disse à nação que vai convocar novas eleições legislativas, e decretou toque de recolher a partir das 22h de hoje. As declarações foram dadas horas antes do político enfrentar um julgamento de impeachment.

Esta foi a terceira tentativa de impeachment contra Castillo —ele iniciou o seu mandato de cinco anos em julho do ano passado, ou seja, há 16 meses.

Em março, a oposição não conseguiu o número de votos necessário para sua destituição. Já em dezembro de 2021, o Congresso a rejeitou antes dos debates.

O Parlamento, que é dominado pela direita, debate hoje uma moção de destituição contra Castillo, de esquerda, por "permanente incapacidade moral". O Ministério Público do Peru acusa Castillo de corrupção.

Dos 130 deputados do Congresso, os opositores se aproximam de 80. Já a bancada governista e os grupos próximos têm quase 50.

Hoje, 80% da população peruana está insatisfeita com o Congresso, enquanto o presidente tem uma rejeição de 70%.

O anúncio de Castillo ocorre pouco mais de 30 anos após o autogolpe do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000), que dissolveu o Congresso em 5 de abril de 1992.

*Com informações da Reuters e AFP