Pedro Novaes se isola no sítio com banda Fuze e planeja música com a mãe Letícia Spiller

Marcelle Carvalho
1 / 4

INFOCHPDPICT000083665801

Filipe e Rita com Nina no colo: Pedro e Alanis foram responsáveis por contar o fim dos outros personagens

Se o distanciamento social é inevitável nesses tempos de coronavírus, Pedro Novaes encontrou o caminho para viver a quarentena de forma produtiva. Entocado com o pai, Marcello Novaes, no sítio do ator em Teresópolis, o rapaz tem também a companhia do irmão e do primo, Diogo e Felipe Novaes, respectivamente, além do amigo Gui Fonseca, todos seus parceiros na banda Fuze. Junto, o quarteto produziu e lançou no isolamento o single “Sonhos”, com direito a clipe gravado de forma caseira no refúgio.

— A princípio, estávamos gravando o material só para testar, quando entrou a quarentena. Daí, fomos dar uma olhada no que tínhamos e vimos um monte de trabalho já pré-pronto, composições quase finalizadas. A gente deu sorte, porque muita gente não está podendo gravar, se encontrar... E já temos, inclusive, no meio dessa loucura, mais uma para lançar após “Sonhos” — adianta Pedro, de 23 anos.

 

O curioso é que a música, composta por Diogo Novaes, ficou parada por mais de um ano, já que não tinha refrão.

— Um dia, meu irmão chegou dizendo que tinha feito o refrão e caiu perfeitamente. Música é assim mesmo. E a galera está curtindo muito, o clipe no YouTube está bem visto. Ele foi feito no sítio, durante a quarentena, e usamos nossos próprios celulares para captar as imagens. A ideia era mostrar do jeito que a gente é, para cima, animado. E passar uma vibe positiva, dizer: “Calma, tenha esperança, porque vai passar”. A gente está na maior expectativa de voltar a fazer shows. Neste momento, penso em focar 100% na banda, apesar de não querer anular nenhuma possibilidade na atuação.

 

A música, entretanto, não é a única a ocupar o tempo do quarteto no isolamento:

— A gente vê muita série, faz uma sauninha, joga altinho, dá uma malhada, faz um funcional... Somos viciados em esporte, estamos sempre em movimento. Meu pai gosta muito de marcenaria, ele tem uma oficinazinha aqui. A gente inventa alguma coisa, faz um balanço, uma bancada, reforma um móvel... Não paramos. Meu pai, eu e meu irmão somos hiperativos.

 

Para Pedro estar completo, no entanto, só faltava sua mãe, Letícia Spiller, e a irmã, Stella, estarem com ele.

— Morro de saudade! Desde que começou o isolamento, me divido entre o sítio e a casa da minha mãe, aqui na serra também. Fiquei com elas uma semana antes e na semana do Dia das Mães — conta o artista, que quer ter a mãe em uma das músicas da banda: — Ela é amarradona para gravar com a gente, canta pra caramba. Quero fazer isso depois que tudo passar.

 

‘Foi bem intenso’

 

Pedro conciliou a música com a atuação como Filipe na última temporada de “Malhação”, que acabou abruptamente por conta da pandemia:

— A temporada foi tão boa que merecia um final um pouco mais construído. Podia ter feito como nas outras novelas: segurava e depois fazia os últimos 20 capítulos no fim da quarentena. E olha que o diretor ainda conseguiu mais um dia de gravação! Eu e Alanis (Guillen, a Rita) resumimos o fim de cada um, porque seria de uma hora para outra. Foi uma honra estarmos juntos com aquela equipe reduzida representando o trabalho de um ano e seis meses. E disse à galera para não termos despedida, porque ainda terá o dia em que vamos nos abraçar, beber e curtir tudo o que vivemos, pois foi bem intenso.