'Pelas estradas do Brasil': série de documentários põe Amazônia em foco

Por 21 dias, em abril, o jornalista Fernando Gabeira percorreu o interior da Floresta Amazônica, visitou comunidades ribeirinhas e conversou com lideranças indígenas, representantes de ONGs, pesquisadores e agentes públicos. O resultado da expedição pode ser visto a partir deste domingo, às 21h30, em “Pelas estradas do Brasil — Amazônia”. É a primeira reportagem de uma série especial sobre pautas ambientais que a Globonews está produzindo para este período pré-eleitoral e que ganham ainda mais importância diante do aumento de incidentes recentes na região, como conflitos entre garimpeiros e indígenas e o desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips.

Com olhares e focos distintos, Míriam Leitão e André Trigueiro também foram a campo investigar os desafios em torno da preservação da região. “Amazônia na encruzilhada”, de Míriam, vai ao ar em 4 de julho; o de Trigueiro, ainda sem título, está previsto para agosto.

— Como é ano eleitoral, enxergamos a necessidade de colocar na agenda essa questão, oferecer aos eleitores elementos para eles julgarem um projeto para a região — diz Gabeira, que teve a reportagem dividida em dois episódios (o segundo será exibido domingo que vem, também às 21h30).

O jornalista diz se preocupar com o que chama de “ponto de não retorno” da região, diante do estrago dos últimos anos.

— Alguns acham que a Amazônia nunca mais será a mesma da forma como a conhecemos — argumenta ele, que começou a viagem por Santarém, no Pará. —Falei muito do intercâmbio da floresta com as cidades. Não há exploração inteligente, as cidades não se beneficiam dessa riqueza. É preciso descobrir que modelo queremos

Gabeira acrescenta que, mesmo diante dos inúmeros crimes que acontecem na Amazônia, há “resistência por toda a parte”:

—Vi coisas maravilhosas, iniciativas que oferecem experiências de sobrevivência, como um homem que produz chocolate com índios.

Fábrica de gás carbônico

Míriam, por sua vez, fez uma viagem de dez dias entre o final de abril e o início de maio, partindo de Belém até São Félix do Xingu, a 1.050 quilômetros da capital paraense. É o município que mais emite gás carbônico no Brasil, por conta do desmatamento e da agropecuária —é também a cidade com o maior rebanho do país.

— O principal vetor de desmatamento é a pecuária. Estávamos no meio da Amazônia, mas havia momentos que não parecia, de tanto desmatamento. Vimos áreas sendo desmatadas dentro de unidades de conservação — relata. — Voltamos com histórias muito fortes.

Em um momento da viagem, enquanto paravam para comprar água na estrada, no caminho de uma entrevista com um produtor rural, Míriam e sua equipe viram viaturas do Ibama e da Força Nacional a caminho de uma operação. E foram atrás:

—É a aflição que tem o repórter fora da zona de conforto. Se eu piscasse, ia perder a operação do Ibama. Não tivemos tempo de pensar.

A reportagem de André Trigueiro vai abordar dois patrimônios brasileiros, terra e água, investigando questões como a degradação do solo e a crise hídrica. Ele planeja visitar uma fazenda em Mato Grosso do Sul, uma produção de açúcar orgânico, em Sertãozinho, interior de São Paulo, e um hub agroflorestal na divisa de São Paulo e Paraná.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos