Pelé, o 'Rei do Futebol', morre aos 82 anos

O ex-jogador estava internado desde o fim de novembro para avaliação da terapia quimioterápica

Pelé é o único jogador da história a conquistar a Copa do Mundo em três oportunidades (Foto: GABRIEL LOPES/AFP via Getty Images)
Pelé é o único jogador da história a conquistar a Copa do Mundo em três oportunidades (Foto: GABRIEL LOPES/AFP via Getty Images)

Aos 82 anos de idade, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, morreu nesta quinta-feira (29), de acordo com o Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

O ex-jogador de futebol estava internado em uma das unidades do hospital desde o fim de novembro para avaliação da terapia quimioterápica do tumor de colón constatado em setembro de 2021 e acabou sendo diagnosticado com infecção respiratória.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, ele não respondia ao tratamento de quimioterapia já estava recebendo apenas cuidados paliativos. Ou seja, a quimioterapia foi suspensa e que ele seguia recebendo medidas de conforto, para aliviar a dor e a falta de ar, por exemplo, sem ser submetido a terapias invasivas.

Pelé foi diagnosticado com um tumor no cólon no dia 31 agosto de 2021 após ser internado para exames cardiovasculares e laboratoriais de rotina. Ele passou por uma cirurgia no dia 4 de setembro para retirar a lesão encontrada no cólon direito. No dia 17, dois dias após ir para o quarto, ele precisou voltar para a UTI após apresentar breve instabilidade respiratória e passou ao cuidado semi-intensivo na recuperação da operação abdominal.

Em janeiro de 2022, foram diagnosticados outros três tumores: no intestino, um no fígado e o início de um no pulmão. Em fevereiro, ele voltou aos hospital para mais sessões de quimioterapia.

Pelé vinha sofrendo de problemas de saúde após uma cirurgia no quadril, o que dificultava sua locomoção desde 2018. O ídolo do futebol mundial também realizou uma cirurgia de retirada de um cálculo renal em 2019.

ADEUS AO REI DO FUTEBOL:

O atleta

Nascido em 23 de outubro de 1940, em Três Corações (Minas Gerais), filho de João Ramos do Nascimento, o popular Dondinho, e Celeste Arantes, Edson recebeu o apelido de Pelé porque pronunciava errado o nome de seu jogador preferido, o goleiro Bilé, do do Vasco da Gama de São Lourenço.

Edson, de nome inspirado em Thomas Edison, inventor da lâmpada, teve uma carreira de mais de 20 anos no futebol e foi eleito Atleta do Século pelo Comitê Olímpico Internacional, Jogador do Século pela Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (IFFHS), e dividiu o prêmio de Melhor Jogador do Século da Fifa com o argentino Diego Maradona.

O mineiro é o recordista mundial de gols na carreira, tendo marcado 1.281 gols em 1.363 partidas disputadas por Seleção Brasileira, Seleção das Forças Armadas, Santos FC e New York Cosmos (EUA).

Com a Seleção, Pelé conquistou três títulos de Copa do Mundo, sendo o único jogador a alcançar tal feito. O primeiro veio em 1958, com grande destaque em sua estreia no torneio. Quatro depois, o bi veio depois de uma lesão. O terceiro troféu foi levantado em 1970, quando o camisa 10 era o principal alicerce de um dos times mais conhecidos da história do futebol.

A principal camisa: o Santos

Pelé com a camisa do Santos antes de um amistoso em Paris, na França, em 13 de junho de 1961 (Foto: AFP via Getty Images)
Pelé com a camisa do Santos antes de um amistoso em Paris, na França, em 13 de junho de 1961 (Foto: AFP via Getty Images)

Em 1956, Pelé começou sua carreira no Santos, com apenas 15 anos. Após se destacar pela equipe amadora do clube, ele foi chamado para o elenco principal e fez sua estreia em 7 de setembro de 1956, quando o Peixe venceu o Corinthians de Santo André por 7 a 1, com um gol de garoto em seu primeiro jogo como profissional.

O Rei conquistou seu primeiro título pelo Peixe dois anos depois da estreia, em 1958. O atacante marcou impressionantes 58 gols em 38 jogos, comandando um ataque do Peixe que chegou a 143 tentos durante a competição.

Durante a carreira de Pelé, o Santos fez várias excursões pelo mundo, com o talento do Rei sendo mostrado em diversos países, incluindo histórias como o cessar fogo da Guerra da Biafra, na África, em 1969 e a expulsão de um árbitro na Colômbia em 1970.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em 19 anos no Santos, ele conquistou 25 títulos - seis que viriam mais tarde ser reconhecidos como Brasileirões e duas Libertadores. Segundo a Associação dos Pesquisadores e Historiadores do Santos FC, o Rei marcou 1.091 gols pelo clube.

Pelé decidiu se aposentar do futebol competitivo ao fim de 1974, apesar de ainda disputar algumas partidas pelo Peixe.

O futebol nos EUA

Dois anos após deixar o Santos, Pelé voltou aos gramados para atuar pelo New York Cosmos, que contou com jogadores importantes do mundo na tentativa de popularizar o futebol nos Estados Unidos.

Em três anos com o Cosmos, ele conquistou a North American Soccer League em 1977 junto do lendário líbero alemão Franz Beckenbauer. Foram 64 gols em 107 jogos pela equipe nova-iorquina.

A aposentadoria definitiva do Rei aconteceu em 1º de outubro de 1977, em um amistoso entre Cosmos e Santos no Giants Stadium, casa das equipes de futebol americano de Nova York, totalmente tomado pelo público.

Seleção Brasileira

Pelé comemora gol do Brasil na final da Copa do Mundo de 1970 (Foto: Action Images / Sporting Pictures
Pelé comemora gol do Brasil na final da Copa do Mundo de 1970 (Foto: Action Images / Sporting Pictures

Um ano depois da estreia como profissional, ainda com 16 anos, o atacante fez sua primeira partida pela Seleção Brasileira em 7 de julho de 1957. Ele saiu do banco no primeiro confronto contra a Argentina, válido pela Copa Roca, e marcou o único gol brasileiro na derrota por 2 a 1. No segundo jogo, Pelé foi titular e fez um dos gols da vitória por 2 a 0 que deu o título ao Brasil.

Já em 1958, Pelé quase ficou de fora da Copa do Mundo por causa de uma lesão sofrida em jogo pelo Santos. O jovem foi com a equipe para a Suécia, mas não atuou nas duas primeiras partidas. Em sua primeira atuação, ele deu uma assistência na vitória por 2 a 0 contra a União Soviética. O primeiro gol em Copas veio no confronto seguinte, contra o País de Gales, se tornando o goleador mais jovem da história do torneio.

Na semifinal contra a França, três gols na vitória por 5 a 2 e mais um recorde: o de mais jovem a marcar um hat-trick. Já na decisão, dois tentos em mais um 5 a 2, desta vez contra a Suécia, com direito a um dos gols mais lindos da história das Copas.

O segundo título da Copa do Mundo veio em 1962. Pelé marcou um dos gols na vitória por 2 a 0 sobre o México na estreia, mas acabou se lesionando no duelo seguinte, contra a Tchecoslováquia. Amarildo substituiu o Rei e foi bem, ajudando a Seleção a conquistar o bi.

Depois de Copa de 66 marcada por uma lesão e chegar a dizer que não jogaria mais em Copas, o Rei voltou para as eliminatórias de 1970, mas teve problemas com o técnico João Saldanha, que acabou demitido em favor de Zagallo em uma decisão polêmica.

O Rei fez parte de um ataque que até hoje é considerado um dos melhores da história do futebol, com Jairzinho, Gérson, Tostão e Rivellino. Ele marcou quatro gols, incluindo um na final, em que o Brasil bateu a Itália por 4 a 1. No México, ele ainda participou de lances aclamados da história do esporte, como o drible no goleiro uruguaio Mazurkiewicz, o "gol que Pelé não fez" do meio campo e a defesa de Gordon Banks em uma cabeçada.

Pelé se despediu da Seleção no ano seguinte ao terceiro título de Copas, em dois amistosos: um em São Paulo, contra a Áustria, em que marcou o gol do empate por 1 a 1, e outro contra a Iugoslávia, no Rio de Janeiro. Nas duas partidas, ele saiu no intervalo e fez voltas olímpicas enquanto era ovacionado pelos torcedores.